ARTIGOS MAIS LIDOS:
Daqui em diante, você encontrará muitos outros artigos sobre psicologia. A finalidade da Psicoterapia é entender o que está ocorrendo com o cliente, para ajudá-lo a viver melhor, sem sofrimentos emocionais, afetivos ou mentais. Aqui você encontrará respostas sobre a PSICOTERAPIA - para que serve e por que todos deveriam fazê-la. Enfim, você encontrará nesses artigos,informações sobre A PSICOLOGIA DO COTIDIANO DE NOSSAS VIDAS.

INSEGURANÇAS NA ADOLESCÊNCIA

Até as pessoas mais confiantes têm algumas coisas sobre si mesmas que não lhes deixam completamente felizes ou satisfeitas. Isso é algo absolutamente natural, assim como, em alguns momentos, duvidar das escolhas que fizemos ou lamentar o que dissemos, ou ainda, querer melhorar a nós mesmos em alguma área. Na verdade, combater a complacência é essencial para progredir e alcançar novos patamares. Mas, atenção: autoavaliação crítica não é o mesmo que insegurança. Essa surge da falta de autoconfiança e alimenta-se de fraquezas internas, sendo que apenas aqueles que são autoconfiantes podem analisar imparcialmente suas próprias imperfeições. Leva tempo para aprender como se posicionar em sua vida e crescer confortavelmente, e a psicoterapia é um excelente apoio durante a fase de crescimento da adolescência, fase em que as dúvidas são constantes e marcantes.
-----
Durante a adolescência, as inseguranças são onipresentes e abundantes. Na verdade, superar dúvidas é uma parte importante do crescimento e amadurecimento para tornarem-se adultos. Embora as inseguranças afetem todos os adolescentes, elas se manifestam de maneira diferente e com intensidade variável, dependendo da força de caráter e ambiente de cada pessoa. A adolescência é desafiadora de várias maneiras, pois é o momento de grandes mudanças na vida e, com as mudanças, vem o aprender a tratar a pressão, a preocupação, as incertezas e o medo. Sob tais circunstâncias, às vezes um incidente aparentemente pequeno pode se transformar numa grande ansiedade, o que pode gerar um mecanismo de enfrentamento potencialmente autodestrutivo.
Os adolescentes sofrem pressão proveniente de várias fontes, principalmente de si mesmos. A pressão dos amigos, irmãos, dos pais e da sociedade em geral, combinada com as mudanças hormonais, continuamente tira o chão desses jovens e alimenta suas inseguranças. É o momento em que as crianças de ontem começam a tomar suas próprias decisões, procuram maneiras de se expressar e avaliam seu valor um contra o outro. Um vínculo anteriormente sólido entre um pai e um filho tende a enfraquecer durante esse período e o relacionamento se assemelha mais a uma montanha-russa do que qualquer outra coisa. Enfrentar desafios com um sistema de suporte inconsistente, ou sem ter alguém em quem confiar, é realmente uma tarefa assustadora – uma das razões para o adolescente contar com o apoio especializado de um psicoterapeuta com formação adequada.
A identificação de causas específicas de insegurança na adolescência costuma ser uma tarefa difícil para os pais e para os adolescentes. A maioria desses jovens não compartilha ou discute suas dúvidas com os outros, especialmente os adultos, o que dificulta descobrir o que os incomoda e como a situação pode ser sanada. Dito isto, acrescento que as causas das inseguranças dos adolescentes são incontáveis: ficar sozinho, rejeitado, não fazer parte da turma, ter notas ruins, notas que não agradam a mamãe e o papai, performances não boas na faculdade, cometer erros, falhar na tentativa de alcançar algo e, portanto, decepcionar amigos, pais, professores ou a si mesmo, ter o “tipo errado de” corpo, roupas, hobbies, turmas, e a lista continua...
Sabe-se, por exemplo, que sete em cada dez meninas acreditam que não são boas o suficiente ou se comparam de alguma maneira com outras meninas sobre sua aparência, desempenho na escola e relacionamento com amigos e familiares, sentindo-se inferiorizadas nessas comparações. Essas inseguranças brotam da baixa autoestima - as adolescentes com autoestima diminuída têm maior probabilidade de se envolver em comportamentos inadequados na resolução de conflitos. Mas não são apenas as meninas que são vítimas de inseguranças - os meninos também são afetados. Assim como as mulheres, os adolescentes se preocupam excessivamente com a imagem corporal, o que é um fator de risco para sintomas depressivos entre eles. Se não forem tratadas, as inseguranças dos meninos e meninas podem persistir até o início da idade adulta, um fato alarmante, considerando os potenciais efeitos nocivos das inseguranças dos adolescentes e da baixa autoconfiança: problemas para dormir, agressividade, abstinência, ansiedade e depressão estão entre os problemas com os quais os adolescentes inseguros mais lutam. Frente a uma dificuldade de alto grau, os adolescentes geralmente adotam mecanismos de enfrentamento ruins, como comer desordenadamente ou abuso de substâncias tóxicas, sendo que, na realidade, só pioram as coisas e, em casos extremos, podem até ser letais.
Para garantir tranquilidade e segurança de seus filhos durante a adolescência, os pais precisam tomar medidas preventivas precoces. Ajudar as crianças a criar autoconfiança e instilar um senso de valor próprio desde a tenra idade é fundamental para ajudá-las a combater suas inseguranças mais tarde na vida. Ainda assim, a adolescência é cheia de incertezas e a autoconfiança dos adolescentes pode ser facilmente influenciada, de modo que até a maioria dos jovens autoconfiantes precisa de segurança e credibilidade dos pais de tempos em tempos. Para ajudar os adolescentes a melhorarem a autoestima durante a adolescência e também fortalecer e manter um relacionamento positivo, os pais podem optar por essas sugestões:
Elimine a negatividade nas palavras e pensamentos: Comece com uma conversa pessoal positiva. É muito fácil ficar frustrado com as pessoas que não cooperam e perder a calma com elas - fácil, mas improdutivo. Para entender e apoiar uma criança em dificuldades, você precisa ajudá-la a se abrir sobre coisas que a sobrecarregam. Se você critica seus filhos por todos os detalhes mesquinhos, eles não compartilharão suas preocupações com você pelo medo de serem julgados e censurados. Para manter uma dinâmica positiva entre vocês dois, você deve manter uma perspectiva positiva o tempo todo, mesmo quando seu filho não estiver por perto.
Promova uma comunicação aberta: Se algo está incomodando seu filho, você deveria ser a primeira pessoa a quem eles devem pedir ajuda. Você precisa informar aos adolescentes que eles podem lhe dizer qualquer coisa, que você irá ouvir e não julgará, que tentará entender o problema do ponto de vista deles, e que oferecerá feedback, confiança e conselhos construtivos. em vez de condescendência. Evite coisas como "Que tipo de problema é esse?", "A culpa é sua!" ou "Eu disse isso a você".

Identifique os gatilhos: O que causa a ansiedade, agressão ou reticência do seu filho? De onde vêm seus medos? O que faz você reagir de uma maneira ou de outra no decorrer de uma discussão com seu filho adolescente? Conhecer os gatilhos deles - e o seu - é uma arma poderosa para facilitar uma conversa com os jovens, além de removê-los das "zonas de perigo", reduzindo assim os níveis de estresse.

Ajude os adolescentes a trabalhar em seus objetivos e nas estratégias para alcançá-los: Para combater a incerteza, você precisa confiar em seus objetivos e nos indicadores de progresso. A incerteza pode fazer você se sentir desamparado e preso em um lugar - geralmente ruim - na vida. O senso de conquista é indispensável para criar autoconfiança nos adolescentes. Definir metas realistas, dividi-las em submetas menores e medir o progresso relacionado pode fazer a diferença na atitude e na perspectiva de seu filho em relação ao mundo.

Espero que tenha gostado desse artigo. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) - acesse-os! CLIQUE AQUI para ler sobre algumas atividades que ajudam na felicidade.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos e casais. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Palestrante sobre temas ligados ao comportamento humano no ambiente social e empresarial.
Consultório próximo à estação de metrô Vila Mariana. Atendimento de segunda-feira aos sábados.
Marcação de consultas pelo tel. 11.94111-3637 ou pelo Whatzapp 11.98199-5612.

PAIS E FILHOS(AS) ADOLESCENTES IRRITADOS

Seu filho(a) adolescente diz que você o(a) incomoda? Você se sente em constante estado de preocupação por seu(sua) filho(a) não ser social o suficiente, inteligente o bastante ou  por não fazer tudo o que você acha que  ele(a)deveria fazer? Você se irrita e exige que o(a) jovem adolescente aja de acordo com o seu conselho? Saiba que você não está sozinho! Muitos pais se sentem frustrados e aborrecidos quando os adolescentes não respondem positivamente aos pedidos de mudanças em seu comportamento - seja um pedido para fazer a lição de casa a tempo, limpar seus quartos, encontrar melhores amigos ou descobrir uma paixão – sendo a principal mensagem por trás da chateação é "Você não é suficientemente bom!"

Sendo um psicoterapeuta de adolescentes e adultos com longo tempo de atuação, logo de cara quero lhe dizer que incomodar os filhos não adianta nada. Adicionar ameaças de punição quando os adolescentes não seguem seus conselhos, piora a situação. Na verdade, incomodar é uma expressão de emoções negativas e pode trazer sérias consequências não boas para os relacionamentos entre pais e filhos.

Na competitiva cultura da era digital de hoje, crianças e adolescentes ouvem constantemente mensagens negativas de colegas que afetam sua resiliência, autoconfiança e esperança no futuro. Na escola, eles podem estar lutando para tirar boas notas, competir nos esportes ou para simplesmente sentir-se aceito. A maioria das crianças, em algum momento do ensino fundamental ou médio, passa a acreditar na mensagem "não sou suficientemente bom", e isso, realmente, não traz nada de positivo para a formação do indivíduo.

O lar deve ser o principal local onde as crianças recebem reforço positivo e apoio sem confronto. Os adolescentes com pais que entendem esses conceitos geralmente negociam seus caminhos durante a adolescência para descobrir que são suficientemente bons conforme suas idades e maturidades e, de fato, gostam de quem são. Nos lares com interações diárias negativas com os pais, a adolescência se torna muito mais desafiadora. Se houver a sensação avassaladora de que nada do que faz é bom, os adolescentes podem ficar entediados, ansiosos, deprimidos e apáticos.

Irritar é um padrão que se desenvolve ao longo do tempo e envolve duas pessoas. As duas pessoas precisam reconhecer e mudar o padrão, mas, obviamente, quando ocorrem infrações às regras da família, as consequências devem existir. Entretanto, a maior parte dos pais irrita-se com ocorrências em duas categorias: Coisas pequenas e Coisas grandes que agora são da responsabilidade de seu(sua) filho(a) adolescente descobrir por si mesmas.

Bem, o fato é que o trabalho psicológico dos adolescentes é “tornar-se você mesmo”, isto é, formar uma identidade separada de seus pais. Por outro lado, o trabalho psicológico dos pais é valorizar esse(a) jovem adulto(a) emergente enquanto sofre com a “perda” de seu(sua) filho(a) compatível. É algo muito difícil para adolescentes e pais, e tudo fica mais difícil quando os pais não permitem que os adolescentes façam seu próprio trabalho de “tornar-se você mesmo”. Os pais geralmente acreditam que têm uma visão melhor do sucesso do que os adolescentes e essa mentalidade leva pais e adolescentes a entrar em águas turbulentas, criando uma condição para a irritação.

Durante os anos que antecederam a adolescência, os pais ocupam papéis que lhes permitem ter maior poder e autoridade sobre seus filhos e filhas. Muitas vezes, essa autoridade é suficiente para fazer com que as crianças cumpram exigências ou sugestões simples. Em algum momento do ensino fundamental e médio, é natural que as crianças desenvolvam suas próprias identidades, sendo parte desse processo a obtenção de um senso de escolha e controle sobre suas próprias vidas.

Irritações sempre criam disputas de poder entre pais e adolescentes, uma disputa onde não há vencedores. Considere o seguinte cenário:
  • Mãe para filho adolescente: “Quando você fará o trabalho de casa da matéria “x”? Você já me disse que o professor é muito exigente e não tolera trabalhos atrasados!
  • Filho para mamãe: “Sim, eu sei. Você não precisa me lembrar. "
  • Mãe para filho: "Bem, claro que preciso lembrá-lo, porque você não está indo bem nessa matéria.
  • Filho: Silenciosamente sai da sala.

Neste exemplo, nem a mãe nem o filho se sentem bem com a interação realizada. Certamente ambos ficaram com raiva e nada foi realizado. Ou o filho age como uma criança obediente e faz sua lição de casa,  ou exercita seu senso de autocontrole e nega (ou atrasa) a execução. Seu cérebro adolescente em amadurecimento lhe dá um impulso natural em direção à negação. A mãe, talvez desconhecendo sua influência instável na vida de seu filho (ou o papel natural da adolescência), fica frustrada. Ela se pergunta: "O que estou fazendo de errado?". A mãe e o filho entram em um padrão de irritação que não é saudável para nenhuma das partes. A mãe repete suas demandas em vários tópicos; o filho exerce seu controle. O padrão é autoperpetuante, com cada um reagindo ao outro de maneiras semelhantes.

A alternativa ao incômodo é desenvolver um relacionamento que fortaleça a comunicação com o filho: "Você é suficientemente bom de acordo com a sua idade e maturidade". Os jovens precisam se sentir ouvidos e compreendidos - para saber que os pais os apoiam e não os julgam. Para os pais, significa deixar de lado a ideia de supervisionar tudo para aprender a respeitar o sentimento emergente de nova identidade de seu(sua) filho(a). Por onde começa? Minha sugestão é iniciar com as seguintes etapas:
  1. Identifique e reconheça o padrão: Se você desenvolveu um padrão de irritação em sua casa, comece reconhecendo sua existência e não colocando culpa nos pais ou no(a) adolescente. Irritar é um problema compreensível e que pode ser alterado. Identificar um comportamento negativo permite substituí-lo por comportamentos positivos.
  2. Inicie uma mudança positiva: Geralmente é o pai que deve iniciar a mudança. Às vezes, isso acontece como resultado de psicoterapia, pois muitas vezes, as mudanças positivas são auxiliadas por terceiros especialistas. Dito isto, muitos pais podem abandonar o hábito de incomodar o adolescente, especialmente quando reconhecerem como isso está afetando a si mesmos e aos filhos(as).
  3. "Encontre-se mais" com seu(sua) filho(a): Nunca é tarde para renegociar um relacionamento saudável com seu(sua) adolescente. Se incomodar é um hábito que envolve mais de uma criança ou afeta toda a família, considere discuti-lo em uma reunião de família. Caso contrário, você pode resolver o problema entre as duas partes mais envolvidas.
  4. Nomeie o problema: Assuma a responsabilidade pelo seu papel de incomodar e nomeie o problema. Informe o seu(sua) filho(a) que você não é perfeito e não espera que ele(a) seja perfeito(a). Compartilhe seus sentimentos sobre si mesmo quando importuná-los. Escute seu(sua) filho(a) adolescente. Entenda como ele ou ela se sente quando são incomodados(as). Fale sobre a autoidentidade emergente de seu(sua) filho(a) adolescente e seus próprios sentimentos sobre a perda do(a) filho(a) que eram antes. O que parecer autêntico e real para a sua situação é o melhor ponto de partida. Convide uma conversa bidirecional com seu(sua) filho(a) adolescente, sem vergonha ou culpa.
  5. Crie um novo plano: Explore como você pode tomar medidas que melhorarão a situação. Por exemplo, mamãe diz: "Eu sei que você é capaz e não vou mais interferir ou lembrá-lo sobre a lição de casa, a menos que você me peça. Isso será difícil para mim, porque se tornou um hábito. Você gostaria de compartilhar uma breve atualização sobre seus trabalhos escolares toda semana, para não me preocupar com você?” Se o(a) filho(a) concordar, também concorde em que dia da semana deve esperar a atualização: "Se não tiver notícias suas nesse dia, tenho sua permissão para perguntar sobre sua atualização no dia seguinte?". Descubra o que seu(sua) filho(a) precisa de você e ofereça-se para atender a sua solicitação de uma maneira que seja agradável. Reúna-se toda semana ou duas nos primeiros meses para garantir que você esteja cumprindo o plano e negociando outras questões que surgirem. Mantenha um senso de humor. Talvez crie um sinal manual secreto para lembrar um ao outro quando comportamentos irritantes estão surgindo.
Quando as famílias se livram dessas irritações, os relacionamentos são infundidos com mais energia e compaixão. Os pais conhecem e apreciam os adolescentes pelo que eles são, não apenas pelo que fazem. Essa mudança de foco ajuda os pais a reforçar os valores familiares que ajudam a criar ambientes de aprendizado saudáveis ​​para seus filhos e para eles mesmos.
Espero que tenha gostado desse artigo. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) - acesse-os! CLIQUE AQUI para ler sobre ansiedade, estresse e esgotamento.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos e casais. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Palestrante sobre temas ligados ao comportamento humano no ambiente social e empresarial.
Consultório próximo à estação de metrô Vila Mariana. Atendimento de segunda-feira aos sábados.
Marcação de consultas pelo tel. 11.94111-3637 ou pelo Whatzapp 11.98199-5612.

GORDOFOBIA

Você, certamente, não gosta quando alguém lhe trata com preconceito ou qualquer tipo de discriminação, não é verdade? Saiba, então, que uma pessoa mais gordinha sofre muito quando se sente discriminada e tratada com preconceito. A “gordofobia” é algo que se expande neuroticamente e que só aumenta o problema da obesidade. Mas veja, os risos e gargalhadas são indescritíveis quando uma piada sobre gordos é contada, não porque se trata de uma reação a algo genuinamente engraçado ou interessante. Na verdade, o público não ri porque a piada era boa: eles riem porque odeiam pessoas gordas e, pior ainda, porque acreditam que pessoas gordas merecem tanto desprezo.

Uau, é assim tão simples? O mundo está realmente abarrotado de inimigos que não têm sentimentos ou obtêm prazer ao abater os outros? Se demorarmos um minuto para analisá-lo, descobriremos rapidamente que não é tão simples assim. O que está acontecendo quando os inimigos riem? Eles estão dando um tempo mental - quase como liberar uma válvula com muita pressão - de se julgarem. A discriminação relativa a pessoas com sobrepeso inclui considerá-las preguiçosas, indisciplinadas e pouco inteligentes, uma consideração completamente destituída de sentido! Mais da metade das pessoas não vê mal em fazer comentários negativos sobre o peso de uma pessoa. Mas tudo se trata de uma espécie de jogo psicológico com uma tentativa das pessoas em livrarem-se do que veem nos outros.
Na psicoterapia, meus clientes geralmente ficam chocados ao descobrir, ao longo da terapia, que seus julgamentos sobre os outros refletem simultaneamente o grau em que eles também se julgam. Todos os dias, eu me pego dizendo: "Você é muito duro consigo mesmo!" Parece haver um autojulgamento ilimitado por aí no universo, e é venenoso porque esses “autojulgadores” são duas vezes melhores em julgar (até odiando) outros por qualquer número de razões (gordo demais, gay demais, étnico demais, etc.). Quando se trata de pessoas gordas, são alvos fáceis. Sua “falha” (ou problema) está lá fora, para o mundo ver e julgar. Tenho uma enorme empatia por quem está acima do peso, porque a situação é difícil para eles tanto física como emocionalmente, logo, uma ameaça dupla real. As “falhas” da maioria das pessoas (infidelidade, mau humor, etc.) não são tão aparentes, então você precisa conhecer a pessoa melhor para realmente ver suas falhas. Mas com pessoas gordas não há como se esconder. Nessa perspectiva, é realmente péssimo ficar gordo, não é? Mas a obesidade é a última fronteira em preconceitos, ainda e por pouco tempo, toleráveis.

Você sabia que mais de 70% das pessoas obesas relataram ter sido ridicularizadas sobre seu peso por um membro da família? Ou que mais de 50% dos obesos acreditam que foram discriminados ao procurar emprego ou promoção? E ainda que crianças de até 4 anos relutam em fazer amizade com uma criança com sobrepeso? Todas essas manifestações de preconceito não apenas prejudicam emocional e psicologicamente o indivíduo gordo - aumentando o risco de depressão, insatisfação corporal e baixa autoestima -, como também contribuem a existência do preconceito da obesidade em si.

Argumentando que "é para seu próprio bem", algumas pessoas usam a culpa e a vergonha na tentativa de motivar os obesos a perder peso. Isso não funciona! Se assim fosse, à medida que o estigma aumentasse, a obesidade diminuiria. Em vez disso, à medida que as taxas de obesidade aumentaram, a discriminação também aumentou em muito na última década. Em vez de motivar as pessoas a perder peso, a discriminação de peso aumenta o risco de obesidade em até 2,5 vezes. Isso, por sua vez, torna os indivíduos mais vulneráveis ​​à intolerância, perpetuando um ciclo de ganho de peso.

O viés de peso nos cuidados de saúde é particularmente problemático porque desencoraja as pessoas com alto risco de problemas de saúde a buscarem ou receberem cuidados médicos, bem como a discutirem questões de saúde com seu médico. Depois de visitarem os profissionais de saúde, os pacientes obesos relatam sentir-se desrespeitados, não levados a sério e ter todos os seus problemas médicos atribuídos ao seu peso.

A magreza sugere ser um fator para o sucesso, o que é, na verdade, um grande equívoco. Mas por que as pessoas com sobrepeso são julgadas com tanta severidade? Nossa sociedade vê a magreza como um símbolo de trabalho duro, autodisciplina e força de vontade, valores que passamos a reverenciar principalmente no mundo ocidental. Nesses termos, presume-se que as pessoas com excesso de peso não possuam essas virtudes. A mídia parece contribuir para o problema. Nas histórias sobre obesidade, os meios de comunicação, inclusive na Web, usam imagens negativas de pessoas obesas que vestem roupas mal ajustadas ou comem fast-food ou pior, como partes do corpo desumanizadas e isoladas. Assim é que existem conceitos errôneos generalizados que minimizam as complexidades da obesidade e isso é difícil de se reverter. Esses equívocos florescem apesar das pesquisas que documentam as consequências negativas do estigma do peso e o fato de que muitas causas da obesidade estão fora do controle do indivíduo - por exemplo: genética, status econômico, educação e a maneira como os pais conversam com seus filhos sobre peso têm influência na obesidade. A epidemia de obesidade também pode ser explicada, pelo menos em parte, pela resposta das pessoas às mudanças em seu ambiente - reduções no trabalho manual, maior densidade de restaurantes de fast food e acessibilidade de alimentos baratos, publicidade pesada de alimentos processados ​​pela indústria de alimentos e preocupações com segurança que tornam os bairros menos acessíveis são alguns exemplos de influencias ambientais.

Se as pessoas estão tão incomodadas com o estigma de serem obesas, por que elas simplesmente não perdem peso? Como qualquer pessoa com histórico de dieta sabe, é extremamente difícil perder peso e ainda mais difícil mantê-lo. O estigma não motiva as pessoas a fazer escolhas mais saudáveis ​​e representa uma séria ameaça à saúde física e psicológica. Então o que nós podemos fazer? A abordagem oposta - baseada na aceitação - é mais eficaz. Em vez de focar apenas na responsabilidade pessoal, vamos abordar a questão maior e trabalhar na mudança do ambiente de promoção da obesidade. Em vez de dar palestras às pessoas sobre exercícios e perda de peso, vamos enfatizar abordagens mais eficazes, como a Saúde em Todos os Tamanhos.

Quanto mais nossa sociedade aprender a sentir empatia pelos outros, menos julgamento teremos que espalhar entre nós. Você sabe que o problema é sério - nesse caso, odiar ou discriminar pessoas gordas - quando uma pessoa odeia outra sem nunca ter se encontrado! Mas é exatamente isso que acontece quando muitos homens e mulheres encontram alguém obeso: julgamentos rápidos são feitos, e a pessoa gorda geralmente é sumariamente descartada como preguiçosa ou fraca. Culpar a vítima liberta todos os outros de responsabilidade, mas com uma epidemia tão complexa quanto a obesidade, todos temos um papel a desempenhar na prevenção e tratamento - e isso inclui não discriminar as pessoas com base no seu peso ou em qualquer outro fator.

Se você acha que tem opiniões negativas sobre pessoas gordas, ou talvez outro grupo de pessoas que você decidiu que não gosta particularmente, na próxima vez que tais pensamentos ou sentimentos surgirem, reserve um momento e dê um passo atrás. A verdade é simples: se você é duro com os outros, também será duro consigo mesmo de alguma outra maneira. Então, aqui está minha ideia maluca: não seja crítico consigo mesmo ou com os outros. E, por favor, deixe as pessoas gordas em paz! Finalmente, você pode dar um passo à frente se for alguém que faz um comentário desagradável sobre alguém com excesso de peso: tome uma posição e defenda essa pessoa. De pouco a pouco todos podem fazer algo para tornar o mundo um lugar mais gentil e compreensivo.

Espero que tenha gostado desse artigo. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) - acesse-os! CLIQUE AQUI para ler sobre como deixar de ser pessimista.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos e casais. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Palestrante sobre temas ligados ao comportamento humano no ambiente social e empresarial.
Consultório próximo à estação de metrô Vila Mariana. Atendimento de segunda-feira aos sábados.
Marcação de consultas pelo tel. 11.94111-3637 ou pelo Whatzapp 11.98199-5612.


VOCÊ É BONITO(A)! NÃO ACEITE PADRÕES IMPOSTOS POR OUTROS

Mais um ano pela frente e várias oportunidades para descobertas e confirmações sobre si mesmo, chances de crescimento pessoal, de melhoria de autoestima e tantas outras coisas de ordem psicológica e emocional... mas quem quer isso, tem que deixar de se comparar com o que a (cruel e capitalista) mídia (televisão, redes sociais e outras) dá como referências, principalmente, os supostos modelos de perfeição corporal.

A imagem corporal é a maneira como a pessoa se percebe quando se olha no espelho. Praticamente todas as pessoas se imaginam olhando e agindo de uma certa maneira, mesmo que, na verdade,estejam olhando e agindo de maneira diferente para aqueles que estão ao redor. Então vale dizer que uma pessoa tem uma imagem corporal positiva se está sintonizado com a realidade de sua forma e tamanho físico. Essa pessoa entende e aceita completamente seu peso, a forma de seu corpo (das curvas às rugas) e a maneira como seu corpo se move e funciona. Alguns, no entanto, vivem uma desconexão entre a imagem corporal e a realidade da própria forma e tamanho. Quanto maior a diferença entre o que a pessoa pensa e o que realmente ela se parece, maior a probabilidade dela ter uma imagem corporal negativa. Essa percepção negativa de si mesmo pode afetar o seu comportamento e impedir a interação social e seus sentimentos de segurança e felicidade.

Pessoas com uma imagem corporal extremamente negativa geralmente ficam obcecadas com partes do corpo que não gostam. Essa obsessão leva a distúrbios alimentares, depressão e transtornos obsessivo-compulsivos que afetam bastante a saúde e a qualidade de vida de uma pessoa. Embora homens e mulheres experimentem problemas de imagem corporal, é mais comum que as mulheres admitam autopercepção negativa. Na situação cotidiana, é normal ouvir uma mulher mostrar insatisfação consigo mesma na frente de amigos e familiares, numa conversa interna negativa que apenas leva a uma menor autoestima e autoconfiança.

Mas por que as mulheres são tão infelizes com suas aparências? Algumas querem coxas menores, seios maiores ou barrigas lisas. Elas usam celebridades e socialites como seus modelos porém essa tendência deve ser interrompida!

Sim, é verdade, a grande mídia influencia a sua percepção de si mesmo e seu comportamento através da psicologia! As ditaduras do corpo e da moda são frutos da influência dramática do rápido crescimento das mídias sociais, computadores, telefonia celular, televisão, filmes e internet. Estudos recentes validam a existência de um novo problema psicológico, o Transtorno de Dependência da Internet, o que inclusive pode causar tremores, calafrios, náusea e ansiedade em algumas pessoas. Muitos colegas consideram o TDI análogo ao abuso de substâncias, incluindo-o entre outros comportamentos patológicos, como jogos de azar e distúrbios alimentares. Tente remover um jovem "jogador" de um videogame com pressa e você descobrirá como é difícil quebrar o apego entre o adolescente e a tela. Em resumo, algumas pessoas usam as mídias em geral, principalmente as redes sociais, como um refúgio e retiro mental e emocional. Ficam conectados com suas mentes presas por horas, excluindo o mundo ao seu redor. Assim, acabam negligenciando a família, o trabalho, os estudos, as relações sociais e eles mesmos. É uma obsessão viciante, centrada no ser humano, e que altera as mentes das pessoas. Em geral, apresentam aspectos negativos com ruins consequências sobre o comportamento humano, inclusive a percepção sobre si mesmo: a autoimagem, autoestima e autoconfiança.

Para deixar de falar negativamente para si e sobre si mesmo, é necessário que se aprenda algumas técnicas e métodos que ajudam a construir uma imagem corporal positiva e realista. Mas como construir uma imagem corporal positiva? Comece desligando a televisão e as redes sociais! Diminuir seu tempo de atenção à televisão e sua exposição às redes sociais (importantes mídias dos dias atuais) é essencial se você deseja reconstruir sua própria imagem corporal tornando-a mais positiva e realista.

Embora a televisão e as redes sociais sejam os principais meios pelo quais profissionais de marketing e anunciantes podem explorar a baixa autoestima de uma mulher, ainda restam programas, músicas, filmes e livros que visam melhorar a vida. É necessário procurar essas saídas positivas de inspiração e motivação para enriquecer o próprio estilo de vida e aprender a espalhar mensagens positivas para as pessoas ao redor. Corte as notícias sobre celebridades e reality shows, os quais geralmente são manipulados e criados para obter um grande número de visualizações, pois apenas se houver o rompimento com o constante fluxo de reality shows, a grande mídia, as celebridades e os anúncios, é que as pessoas poderão se ver como seres humanos em suas próprias realidades. Conduza a sua própria pesquisa, lendo mais artigos, blogs, podcasts e livros cheios de informações, em vez de anúncios. Olhe para as pessoas que representam almas saudáveis, confiantes e inteligentes como as que você quer se tornar.

Converse mais consigo mesmo sobre esse assunto. As pessoas podem criar imagens corporais positivas e realistas por meio de conversas positivas, tornando-se conscientes do que são capazes e entendendo sua verdadeira forma e tamanho.

Quando me refiro a um diálogo interno positivo refiro-me a falar consigo mesmo usando palavras positivas e ativas que descrevem como nos sentimos, como parecemos e o que estamos fazendo. Muitos mantém, consigo mesmos, conversas negativas apenas por hábito. Por exemplo, quando uma pessoa se vê no espelho e foca nas partes do corpo que não gosta; imediatamente ela transmite essa percepção via mensagem verbal ou mental ao seu inconsciente usando frases como: "minhas coxas são muito gordas!", ou "olha como minha bunda está feia!". Quando se fala dessas percepções negativas, prejudica-se a autoestima. Em vez de focar em algo que não gosta, a pessoa deveria se concentrar nas áreas do corpo que admira e gosta. Poderia, por exemplo, dizer: "meus braços estão bem firmes e em forma!", ou “minha barriga me dá um charme legal!” ou ainda "eu tenho um sorriso muito bonito!".

Usar declarações positivas para se descrever pode aumentar a autoconfiança e ajudar a interagir com outros sem se sentir estigmatizado por alguma insegurança pessoal – elas sempre existem! Não é apropriado que se use uma linguagem positiva apenas ao falar sobre os próprios corpos: deve se empregar uma linguagem ativa para ajudar a alcançar os objetivos que foram definidos. Se você planeja perder peso ou iniciar uma nova dieta, o diálogo interno negativo pode, e inevitavelmente isso vai ocorrer, lhe levar ao fracasso.

Prefira usar palavras como escolher e sou. Declarações como “hoje escolho me alimentar de forma saudável” ou “sou bonita e forte” são ativas e reforçam o inconsciente, ajudando a pessoa a alcançar seus objetivos. Evite usar frases com as palavras preciso, tenho, vou e de sentidos similares. Se você disser: "eu tenho que fazer 30 flexões", o seu inconsciente vai achar que não tem escolha. Se você disser: "vou comer apenas um biscoito de chocolate", a mente sabe que isso pode ser feito em algum momento, só não está fazendo agora. Essa é uma forma de procrastinação e atraso que dificulta o progresso em direção a metas e prazos. Mas se disser: "estou fazendo 30 flexões", a mente trabalhará para levar o corpo a completar 30 flexões. Se disser: "eu escolho comer um biscoito de chocolate", certamente se sentirá fortalecido e controlará as decisões, o que aumenta a autoconfiança.

Pratique o diálogo interno positivo e ativo enquanto se olha no espelho ou inicia um novo objetivo. Uma ótima dica é usar a repetição ao máximo possível.

Sei muito bem que não se pode definir objetivamente a beleza, já que ela não é uma propriedade imutável que se atribui aos objetos, mas uma sensação própria da pessoa que a percebe, ajustada aos seus valores e histórias pessoais. A beleza é relativa, não há como negar, mas essa relativização está profundamente ofuscada pela imposição de uma essência ideal ou de um padrão de beleza. As pessoas são, evidentemente, diferentes – homens e mulheres possuem suas belezas pessoais. Num recado direto às mulheres, quero dizer que vocês são diferentes, podendo ser altas, baixas, gordas, magras, de todas as formas e tamanhos. Toda mulher deveria simplesmente amar seu corpo. Lembrem-se que a beleza é tão somente uma contemplação subjetiva e relativa, e que não deveria ser enquadrada em padrões que excluem e discriminam. Perdoem-me pelo clichê, mas é legítimo: “bonita é ser você mesmo!”

Espero que tenha gostado desse artigo. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) - acesse-os! CLIQUE AQUI para ler mais sobre a ditadura da beleza.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos e casais. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Palestrante sobre temas ligados ao comportamento humano no ambiente social e empresarial.
Consultório próximo à estação de metrô Vila Mariana. Atendimento de segunda-feira aos sábados.
Marcação de consultas pelo tel. 11.94111-3637 ou pelo Whatzapp 11.98199-5612.

VOCÊ TEM UM AMIGO PSICOPATA! COMO IDENTIFICÁ-LO?

Milhões de amantes do cinema foram, recentemente, assistir O Coringa, a história famoso inimigo do Batman. Muita gente andou comentando que o filme é apresenta o típico psicopata dos livros, mas, para mim, talvez a questão principal seja outra: quantos expectadores possuem as  mesmas características do personagem Coringa? É possível que você tenha um amigo ou conviva com um psicopata?

Antes de avançarmos, é recomendável esclarecer o que é um "psicótico" e um "psicopata", termos muito usados ​​na cultura popular, às vezes de forma bastante confusa.

Psicótico e psicopata referem-se a dois problemas diferentes de saúde mental, ambos sérios. Se alguém é psicótico, sua mente está perdendo o controle da realidade. Um psicopata é alguém que não é capaz de ser empático com os outros, tem um embotamento de outros estados afetivos, podendo agir de maneira imprudente e antissocial. Essas pessoas costumam ser insensíveis, desapegados e altamente manipuladores.

Os psicopatas costumam parecer normais, encantadores e envolventes no começo, mas podem se tornar exigentes ou fisicamente agressivos. Alguns têm problemas comportamentais precoces ou cometem crimes violentos. Eles não vivem de acordo com regras ou expectativas sociais, portanto, podem mentir frequentemente, ter uma visão inflada de si mesmos, não conter impulsos, não sentir culpa ou arrependimento por ações que magoam outras pessoas e muitas outras ações que serão apresentadas a seguir.

Os pesquisadores não sabem ao certo o que causa a psicopatia, e não podemos assumir que uma educação difícil, por exemplo – gera psicopatas. O debate entre a biologia versus educação e meio ambiente tem sido discutido há muito tempo em relação à psicopatia e ainda não há uma resposta clara. Entretanto, foi sugerido que, embora uma predisposição genética seja essencial para uma pessoa exibir traços de psicopatia, alguns fatores ambientais, como trauma, abuso e rejeição por entes queridos, podem determinar o curso do distúrbio. Mas o fato é que os psicopatas são relativamente comuns na sociedade e, certamente, todos nós conhecemos alguma pessoa com suas características. Como podemos identificar um?
Na cultura popular, os psicopatas são frequentemente retratados como assassinos em série, mas, na realidade, poucos psicopatas são criminosos, muito menos assassinos em série. Eles podem ser CEO’s bem-sucedidos, diretores de empresas, reitores de universidades de ponta, valentões de escritório, mães ambiciosas de bebês gordinhos, garotas do ensino médio ultra-populares, parceiros passivos-agressivos ou vizinhos maldosos. Para identificar um psicopata, veja essas dicas:

Observe se a pessoa é mais racional do que os outros. Enquanto as coisas acontecem, ele não se mostra entediado, não se atola em emoções negativas (como medo, tristeza, arrependimento ou desespero), o que parece torna-lo muito bom na solução de problemas complexos, além de saber trabalhar rapidamente quando necessário. Ele também sabe como fazer o outro manter a calma em situações difíceis ou de emergência, agindo de forma estratégica sem se distrair com a dor e o sofrimento alheios.

Frequentemente é uma pessoa do “tipo” diferente em circunstâncias diferentes. Se ele se comporta como um camaleão e ajusta seu comportamento para a qualquer situação em que se encontre, se é adepto de elogios para ganhar a confiança de outras pessoas, se imita emoções e desempenhar diferentes papéis conforme a exigência da situação, se ele faz os outros acreditarem que se importa profundamente com eles, há uma importante tendência à psicopatia.

Veja se esse indivíduo dá sinais de entediar-se com outras pessoas e com as coisas que elas fazem. Se isso ocorre, é porque precisa de adrenalina para evitar o tédio. Ele obtém essa adrenalina estando no comando de um grande grupo de pessoas ou vivendo a vida perigosamente, ou usando drogas estimulantes, ou ainda, brincando / jogando com as pessoas para satisfazer sua necessidade constante de estímulo.

Analise a sua impulsividade. Esse tipo de gente tem uma tendência a agir por capricho, exibindo comportamentos desnecessariamente arriscados, caracterizados por pouca ou nenhuma premeditação ou consideração das consequências. Pode ser algo tão inocente quanto ficar acordado assistindo filmes até as 5 da manhã, mesmo que tenha que se levantar para uma tarefa importante logo às 7 horas. Pode, ainda, dar um jeito para comprar cocaína, mesmo tendo prometido a si mesmo que desistiria do hábito.

Observe se essa pessoa costuma mentir (às vezes e nem sabe ao certo o porquê!). Mesmo quando dizer a verdade não é um problema, ele costuma responder às perguntas de outras pessoas mentindo. De vez em quando, conta uma mentira para chamar a atenção ou se apresentar da melhor maneira possível. Nesse caso, a única coisa que o motiva é o próprio ato de mentir e é bom nisso – para ele, mentir é quase uma forma de arte.

Um traço importante é a não aceitação da responsabilidade pelas próprias ações, porque alguém ou algo mais é sempre o culpado. Ele realmente não aceita a responsabilidade por suas ações, porque quando as coisas dão errado, e crê que não é sua culpa. Em vez disso, outras pessoas ou circunstâncias são as culpadas pelos seus percalços. Se ele não cumpre a promessa a um amigo, é porque o chefe exige muito dele. Se sempre chega atrasado para o trabalho, é porque seu irmão fica no banheiro trancado por horas. Nas raras ocasiões em que aceita a culpa, é porque se sente encurralado, mas mesmo ao admitir que está culpado, não costuma sentir arrependimento, culpa ou remorso.
Essa pessoa prefere um estilo de vida parasitário, sempre procurando receber mais do que doa. Ele pode ganhar mais dinheiro do que todos os membros da sua família juntos, mas prefere usar as roupas do irmão ou viver com o dinheiro dos seus pais. Quando as pessoas o tratam bem oferecendo uma refeição, uma bebida, ou faz um favor, ele retribui apenas se achar que isso o beneficiará a longo prazo.

Ele geralmente se sente bem consigo mesmo e não apresenta nenhum sintoma perceptível de doença psiquiátrica ou problemas psicológicos. A própria idéia de ir a um psiquiatra ou psicoterapeuta parece um absurdo. Até a hipótese de ter um distúrbio de personalidade parece ridícula para ele. Se já procurou aconselhamento profissional, seria porque foi vítima da ignorância ou fracasso de outras pessoas.

Se a maioria dessas dicas parecerem ter relação com a pessoa que você conhece, ele pode realmente ter tendências psicopáticas. Há ainda uma lista enorme de características, algumas das quais, são: grandioso senso de autoestima, controles comportamentais ruins, comportamento sexual promíscuo, problemas comportamentais precoces, falta de objetivos realistas a longo prazo, muitas relações conjugais de curto prazo, delinquência juvenil, versatilidade criminal (ou seja, comete diversos tipos de crimes), etc.

Enfim, você realmente pode ter um amigo psicopata ou mesmo conviver com uma pessoa assim. Lembre-se, eles não são apenas mesquinhos e desinibidos, mas também indivíduos equilibrados, destemidos, emocionalmente resilientes e socialmente dominantes. Talvez seja melhor você repensar sobre o relacionamento com uma pessoa com essas características.

- Material produzido a partir de pesquisas na internet -

Espero que tenha gostado desse artigo. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) - acesse-os! CLIQUE AQUI  para ler sobre a impotência masculina.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos e casais. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Palestrante sobre temas ligados ao comportamento humano no ambiente social e empresarial.
Consultório próximo à estação de metrô Vila Mariana. Atendimento de segunda-feira aos sábados.
Marcação de consultas pelo tel. 11.94111-3637 ou pelo Whatzapp 11.98199-5612.

FINAL DE ANO COM OU SEM ESTRESSE?

Em teoria, o período de férias natalinas deveria ser menos estressante do que o resto do ano, afinal, as atividades profissionais são substituídas por festividades, reuniões com a família e amigos, acompanhadas de músicas e espírito natalino, um pouco de praia, campo, enfim, muitas opções que deveriam acalmar e alegrar as coisas.... Mas, infelizmente, as palavras "férias", "Natal" e "estresse", algumas vezes, vem juntas!

Sei que isso realmente ocorre pois, como psicoterapeuta, ouço pacientes narrarem situações muito desagradáveis vividas nessa época. Isso é triste pois se trata de bons momentos, com família, amigos e celebração religiosa. O que poderia ser ruim no ápice da positividade e felicidade? Mas o fato é que, há anos em minha carreira profissional, venho lidando com os profundos dissabores de vários pacientes após as festas de fim de ano, sendo muito frequente encontrá-los bem estressados.

Então, como a proposta é aliviar o estresse, decidi sugerir algumas medidas que você poderá, se quiser, adotar para não sofrer de estresse.

Prá começar, não vá a eventos que se sinta obrigado a ir, ou seja, se você não quer ir, não vá! É preferível que você dê vazão à sua vontade de caminhar (com ou sem o seu cachorro) ou saia para amigos que você realmente gostaria de ver, ao invés de ir a um evento onde você terá que se esforçar para se animar!

Um outro ponto é perceber como é algo tolo gastar esforço e dinheiro para dar às pessoas coisas que elas não precisam ou, muitas vezes, nem querem. Então, por que não doar para uma instituição de caridade em nome de todas as pessoas da sua lista, exceto, talvez, as pessoas que realmente precisam do presente que você compraria?

As festas de fim de ano podem ser longas e, assim que não há mais assuntos comuns para a conversa, pode ser tentador se aventurar com um tema polêmico. Infelizmente, em especial nesses tempos onde tudo é tão polarizado, isso pode ser complicado. Muito poucas pessoas mudam de opinião nas discussões de política, religião, raça, gênero etc., logo, é provável que essa discussão irá prejudicar o espírito de calma e de paz que você deseja para suas férias e época natalina. Quer desestressar? “Pegar leve” pode ajudar.

Por que não organizar uma festa de baixo estresse? Não precisa ser nada cansativo! Você e seus convidados podem obter o máximo proveito se cada um contribuir com os “comes e bebes”. Sendo, os seus convidados, amigos conhecidos, solicite que cheguem mais cedo para ajudarem a arrumar a sala e a servir. Dessa forma, quando os demais convidados chegarem, você poderá conectar-se a eles em vez de ficar de olho no fogão, nos convidados e como as coisas estão sendo servidas. No final da festa, aceite ofertas para ajudar na limpeza. Se ninguém se oferecer, não há nada de errado em perguntar. Muitas pessoas ficariam bem felizes em ajudar o amigo a arrumar as coisas ao final da festa.

Uma outra boa medida para esse período é desenvolver a sua espiritualidade. Não estou falando de religiões nem de cartas de tarô e cristais, mas sim de algo que não exclui o benefício desestressante da espiritualidade ampliada. Requer definir espiritualidade como alguma coisa que é maior que você. Como isso pode reduzir seu estresse? Fornece uma perspectiva interessante para certas situações: digamos que você ganhou cinco quilos e parecia "gorda" naquele vestido, ou que o pernil de natal ficou mais seco que o deserto do Saara... bem, de uma perspectiva espiritual, isso tudo é absolutamente trivial e pouco importante. Manter essa espiritualidade em sua frente e em seu centro pode manter o estresse distante de você!

Minha preferência sempre foi a de passar o natal e réveillon em minha casa ou nas de amigos ou parentes, simplesmente porque os restaurantes fazem, nessas ocasiões, uma mega operação para lucrarem muito - cobram valores elevados, enchem os clientes com bugigangas compradas a centavos na rua 25 de Março, servem o jantar sob o som altíssimo manejado por algum DJ MC Qualquer Nome. Uma noite tranquila de Ano Novo em casa é menos estressante, não apenas por causa de controle sobre o som, mas porque você pode, com seus amigos e parentes, compartilhar boas reflexões sobre a vida, servir a comida e beber o que você realmente gosta, por um valor muito inferior que o que é cobrado num restaurante.

Ah! Isso é muito importante! À medida que o final do ano se aproxima, muitas pessoas “entram numas” de lamentar pelos desejos não realizados. Não faça isso de forma alguma! Substitua essa lamentação estressante por uma preparação esperançosa visando a realização de seus planos no ano novo, traçando metas inicialmente fáceis.

Afinal, afora os casos de pessoas estressadas, para todos os demais as férias de final de ano trazem felicidade ou estresse? Minha opinião é que, sendo um período em que se pode passar um tempo com a família, curtir festas diversas, dar e receber afeto de várias pessoas, participar de atividades religiosas, relaxar, manter tradições familiares,  no geral, o período das férias de Natal tende a produzir mais felicidade do que estresse, sendo que, curiosamente, os idosos de ambos os sexos e os homens mostram mais satisfação do que os jovens e as mulheres. De verdade, com um pouco de tolerância, todos podem sentir muita satisfação nessa época.

A todos desejo um feliz Natal e muita prosperidade no ano novo.

Espero que tenha gostado desse artigo. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) - acesse-os! CLIQUE AQUI  para ler sobre como cuidar preventivamente quanto ao uso de drogas pelos jovens.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos e casais. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Palestrante sobre temas ligados ao comportamento humano no ambiente social e empresarial.
Consultório próximo à estação de metrô Vila Mariana. Atendimento de segunda-feira aos sábados.
Marcação de consultas pelo tel. 11.94111-3637 ou pelo Whatzapp 11.98199-5612.