A FINALIDADE DA PSICOTERAPIA É ENTENDER O QUE ESTÁ OCORRENDO COM O PACIENTE, PARA AJUDÁ-LO A VIVER MELHOR, SEM SOFRIMENTOS EMOCIONAIS, AFETIVOS OU MENTAIS. NESTE BLOG, HÁ DIVERSOS ARTIGOS SOBRE A PSICOTERAPIA - PARA QUE SERVE E POR QUE TODOS DEVERIAM FAZÊ-LA. NESSES ARTIGOS, VOCÊ VAI LER SOBRE A PSICOLOGIA DO COTIDIANO DE NOSSAS VIDAS.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

PSICOTERAPIA É UMA ATIVIDADE DO PSICÓLOGO

Já antevejo as reações e peço que perdoem-me pela franqueza, mas pensando criticamente sobre o que anda ocorrendo no mundo da psicologia, concluiremos que o momento atual é, no mínimo, preocupante. Tenho conhecimento de que muitas pessoas, sob o título de “terapeutas ou “coach de vida”, tem prometido soluções e curas imediatas e extremamente fáceis aos quatro cantos do mundo, usando "técnicas milagrosas", independentes, mas que, de modo algum, estão baseadas na compreensão da individualidade humana. Não me refiro a profissionais com formações bem fundamentadas, mas sim aos oportunistas que propagam curas instantâneas como se isso pudesse ocorrer sem a devida consideração às teorias do desenvolvimento humano, às necessidades de crescimento e sem o menor respeito ao potencial real e ao gênio inato de cada um. Ou seja, é algo assim: “eu tenho a técnica e a aplico em todas as pessoas que me procurarem, necessitem ou não, seja adequado ou não. É como uma camisa de tamanha universal que todos devem vestir”!!!

Como psicoterapeutas, optamos pelo bem estar e saúde mental do homem. Escolhemos dar propósito às nossas vidas seguindo um laborioso caminho que nos capacita formal e tecnicamente a promover o desenvolvimento humano e melhorar as condições das pessoas através das abordagens psicoterapêuticas nas quais nos especializamos. Em momento algum, um psicólogo age em termos de alegrias instantâneas pois sabemos que o processo terapêutico leva algum tempo, e não apenas em uma única sessão, meia dúzia de sessões ou um festivo e singular momento grupal. Temos muita clareza que estalar os dedos e simplesmente dizer "venha, vamos ser felizes" é uma atitude absolutamente irresponsável.

É verdade que se pode acelerar tudo mas o resultado final é efêmero. Imagine uma ponte sendo construída aceleradamente, sem os cuidados devidos da engenharia que alicerçam a estabilidade e segurança futura da obra: à passagem do primeiro automóvel provavelmente a ponte ruirá. Da mesma maneira, a primeira emoção/frustração/afeto/experiência mais marcante poderá ser suficiente para encerrar o pseudo-equilíbrio instalado por essas técnicas de cura ou solução imediata.

Meus amigos, o verdadeiro processo psicoterapêutico é bem consistente. A cada sessão, tentamos preencher os buracos da personalidade para torná-la novamente inteira e completa. É um processo que se realiza com profundidade e dedicação, pressupondo muito empenho (do psicólogo e do paciente) e tempo!

Uma transformação pessoal em termos de uma maior auto-aceitação deve ser estimulada através do processo psicoterapêutico. Através dele, a pessoa poderá jogar fora todos os papéis sociais artificiais que aprendeu ao invés de aprendermos um outro novo papel igualmente artificial. Ao fazer isso, a pessoa percebe que cada vez que teve que aprender um novo papel artificial ficava excitado, ansioso por estar em dúvida e inseguro quanto ao papel que deveria representar. Isso é fácil de entender: se não sabemos se vamos agradar e/ou convencer, nós hesitamos; o coração, então, dispara e a excitação não flui para a ação à medida em que a ação ainda não pode ocorrer, e é assim que nos vemos com o "medo do palco". Em outras palavras, a ansiedade é o vácuo entre o agora e o depois. Se estamos no agora, não podemos ficar ansiosos já que a excitação flui em atividade espontânea, própria do momento atual. Se estamos no agora, somos criativos e inventivos. Por essa razão, o psicoterapeuta deve estar preparado, com os olhos e ouvidos abertos, liberando a espontaneidade e aceitando a personalidade total, para que a interação psicoterapêutica seja o caminho para a solução. A mera e fria aplicação de testes, formulários, técnicas importadas de culturas estrangeiras em nada contribuirão para o desenvolvimento do cliente.

Quem conduz as psicoterapias são os psicólogos, pessoas preparadas para compreender as pessoas e acompanha-las em sua evolução. O pensamento moderno despertou uma nova consciência nos homens que reforça, sobremaneira, a recuperação da personalidade total. Estamos aprendendo que produzir coisas, viver para coisas e trocar coisas não é o verdadeiro sentido da vida. Estamos aprendendo que a vida deve ser vivida e não comercializada, conceituada e restrita a um modelo de sistemas. A manipulação e o controle não constituem, de forma alguma, a alegria de viver. 

Enquanto pessoas modernas, contemporâneas, estamos escolhendo sermos reais e existirmos; o homem contemporâneo aprendeu a assumir posição, a desenvolver seu centro. Nesta evolução (ou retomada), a minha sugestão é de que façamos uma reflexão a respeito da base do existencialismo: “uma rosa é uma rosa é uma rosa” (Gertrude Stein). Eu sou o que sou e, neste momento, não posso ser diferente do que sou. E o que sou tem repercussões em mim mesmo e também tocam a outras realidades. Vale à pena estender a reflexão ao que diz a velha citação de F. Perls:"Eu faço minhas coisas, você faz as suas. Não estou neste mundo para viver de acordo com suas expectativas e você não está neste mundo para viver de acordo com as minhas expectativas: Você é você e eu sou eu. E se, por acaso, nos encontrarmos, é lindo. Se não, nada há a fazer."

Use computador para ver todo o conteúdo do blog.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar
Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marque uma consulta pelos fones 11.5081-6202 e 94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br  


DICAS PARA MELHORAR A SUA AUTOESTIMA

Quando se pensa em consultórios de psicologia, costuma-se pensar nas diversas patologias que o ser humano pode sofrer no que tange à saúde mental, tais como transtorno bipolar, paranoia, esquizofrenia, fobias diversas, estresse pós-traumático, transtornos de ansiedade, etc. Mas o que não se imagina é que um dos mais frequentes motivos que levam à psicoterapia é a percepção negativa que a pessoa tem de si mesmo, ou seja, a baixa autoestima.

Com muita frequência, a depressão e a baixa autoestima andam juntas: a baixa autoestima deixa as pessoas vulneráveis ​​à depressão e a depressão diminue a autoestima. Além disso, a depressão distorce o pensamento, fazendo com que uma pessoa confiante se sinta insegura, negativa e autodepreciativa.

O que se observa é que os pensamentos positivos transformam-se em pensamentos ruins os quais levam a pessoa a pensar coisas como "eu sou incompetente", "eu engulo tudo" ou "eu me odeio"; por outro lado, a elevada autoestima está associada a crenças positivas, como "eu sou bom", "sou um sucesso", "eu sou valioso para os outros", etc. Mas embora a baixa autoestima possa estar profundamente enraizada, você pode afastar essa percepção negativa de si mesmo e, gradativamente envolver-se em atividades que melhorem o seu estado. Vamos, então, a algumas dicas que podem lhe ajudar a fortalecer a sua autoestima:

Lide com o pensamento negativo sobre si mesmo. Várias pesquisas realizadas por renomadas instituições mostram que o pensamento negativo é o principal responsável pela baixa autoestima. A depressão também tira as cores do mundo, deixando-o cinza, influenciando de forma desfavorável o julgamento e pensamentos. Esses, sendo negativos, convertem-se em pensamentos autodestrutivos, tornando a pessoa suscetível a decisões ineficazes e situações abusivas. É como se fosse um mantra ruim que repetidamente declara falhas e dúvidas sobre si próprio até que a pessoa se sinta derrotada e não veja nenhuma esperança ou futuro.

É fundamental, portanto, o combate ao pensamento negativo e pessimista. Uma estratégia valiosa é analisar e avaliar seus próprios pensamentos, e para isso, sugiro que se faça as seguintes perguntas:

·      Que evidência apóia meu pensamento negativo e pessimista?
·      Os outros dizem que isso é verdade sobre mim?
·      Sentimento negativos fazem com que eu me sinta bem comigo mesmo ou mau comigo mesmo?

É claro que esse processo também inclui, necessariamente, a substituição de pensamentos negativos e pessimistas por outros que sejam positivos e otimistas. Não estou dizendo para repetir afirmações vazias, mas pelo contrário, criar e usar autodeclarações factuais, efetivas e significativas.

A realidade é que todos têm pontos fortes e fracos e ter uma autoestima sólida e positiva significa aceitar e apreciar todas as próprias características pessoais. Pessoas com boa e saudável autoestima se sentem bem com relação a si mesmas, apreciam seu próprio valor e orgulham-se de suas habilidades e realizações. Elas também reconhecem que, embora não sejam perfeitas e tenham falhas, essas falhas não desempenham um intenso papel opressivo ou irracional em suas vidas ou em sua própria auto-imagem (como você se vê).

Registro diário. Manter pensamentos negativos em sua cabeça apenas os torna maiores. Ao registrar diariamente esses pensamentos, você reduz a sua importância e passa a ver as coisas boas que existem em seu mundo. Assim, além de listar os pensamentos negativos, é muito bom registrar os aspectos positivos da sua vida, como sua saúde ou seus entes queridos. Por exemplo, para cada pensamento negativo que você registrar, anote algo positivo ao lado dele.

Procure apoio positivo. Cerque-se de pessoas que celebram seus pontos fortes e não suas fraquezas. Fazer isso não só é bom, como também ajuda a solidificar o pensamento positivo.

Crie estímulos visuais. Os estímulos lhe dão uma nova perspectiva e lhe ajudam a reduzir as conversas negativas. Por exemplo, deixe notas positivas em sua casa e no escritório e mantenha citações inspiradoras em sua mesa de trabalho e na tela do computador (área de trabalho).

Comece o dia inspirado. Encontre livros e sites que são inspiradores e que “levantam o astral”. Por exemplo, páginas e/ou grupos virtuais sobre o poder do pensamento positivo nas redes sociais. Desperte-se com uma música vibrante que lhe faça um entusiasta pela vida. Ou comece o dia com uma boa risada. O humor cura!!!. Embora possam parecer simples, esses gestos diários são outra maneira de criar um ambiente agradável e inspirador.

Mantenha a calma. É importante que você se tranquilize e nutra-se de valor pessoal, mesmo quando esta é a última coisa que você acha que merece ou deseja fazer. Na verdade, é aí que é especialmente vital. Alimente sua mente, corpo e alma de maneiras que fazem você se sentir especial. Essas maneiras não precisam ser grandes, como por exemplo, você pode definir algum tempo do seu dia para ficar num estado de silêncio e quietude. Você pode desfrutar de pequenos prazeres como uma xícara de café, uma música bonita ou um pôr-do-sol colorido. Ou você pode comemorar o que você já tem e não o que deseja.

Descubra e persiga suas paixões. Quando você está deprimido e sua autoestima parece que está afundando diariamente, é muito fácil ignorar seus maiores desejos e sonhos. Porisso, é interessante escrever uma lista de coisas que ama, deixar de pensar nas coisas que não conseguiu fazer e se esforçar para realizar o que ainda não conseguiu. Tive um cliente que acreditava que não seria nada na vida e que comparava-se regularmente com seus amigos bem-sucedidos. Quando lhe perguntei pela primeira vez sobre suas paixões, ele não conseguiu identificar nenhuma. Daí sugeri ele fosse mais profundo e que contemplasse suas qualidades e interesses positivos. Depois de escrevê-los, ele percebeu que queria se ser um “personal trainer”. No momento, esse cliente está fazendo cursos e trabalhando para sua certificação. Identificar e perseguir sua paixão aumentou sua confiança e deu-lhe um propósito de vida maior.

Redefina o sentido de “fracasso” e continue tentando. Quando você tem baixa autoestima, é comum pensar em si mesmo como um completo e absoluto fracasso. Mas lembre-se que o fracasso é parte do sucesso. O fracasso não o caracteriza como uma pessoa ou determina sua autoestima. Particularmente, eu não me importo se as pessoas cometem erros. O que realmente me preocupa é a falta de dedicação, a não-realização. Há inúmeras histórias de pessoas perseverantes e que sofreram muitas rejeições. Pense em qualquer grande escritor, cientista ou artista. Todos, com certeza, enfrentaram rejeições em vários momentos de suas vidas.

Não há garantia de que tudo o que você fizer vai gerar uma consequencia positiva, mas tudo o que você precisa, nesse momento, é uma tendencia para o sucesso. Por exemplo, entrar em uma faculdade de primeira linha faz de você um sucesso. Use o pensamento positivo e otimista, ou seja, concentre-se nas consequências positivas de suas ações e mantenha-se firme no propósito.

O fortalecimento da sua autoestima não é fácil. Mas as dicas acima podem orientá-lo no início do processo. Se você acha que sua autoestima está rebaixada, consulte-se com um psicoterapeuta e trabalhe para construí-la positivamente. Nunca é tarde demais para se sentir bem cosigo mesmo.


Use computador para ver todo o conteúdo do blog.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marque uma consulta pelos fones 11.5081-6202 e 94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br  

sexta-feira, 28 de julho de 2017

quinta-feira, 20 de julho de 2017

RELACIONAMENTOS AMOROSOS COM "BIPOLARES"

Em meu consultório psicológico, muitas histórias são contadas, sendo, muitas delas, bem similares. É o caso de pessoas que me contam que quando se casaram, tudo parecia bom, tanto durante o namoro como no início do casamento. Até que surgiram marcantes alterações de humor num dos cônjuges, e que fizeram com que a pessoa, em estados de alta excitação ou hipomania, gastasse enormes somas de dinheiro que não possuía. Mas essa mesma pessoa também apresentava sintomas que mostravam o quanto ela estava afundada nas profundezas de uma depressão. Essas variações de humor geraram intenso estresse nos seus casamentos e ameaçaram os equilíbrios financeiros das famílias. Muitos, reconhecendo os riscos, transferiram a propriedade da casa e outros bens para o cônjuge psicológica e emocionalmente equilibrado. Entretanto, infelizmente, muitos dessas histórias relatam que seus casamentos terminaram devido à dificuldade de conviver com uma pessoa com um quadro de Transtorno Bipolar, que tem como principal sintoma, a constante variação do humor.

Quando as pessoas entram num relação, procuram estabilidade. O transtorno bipolar pode complicar seriamente esse relacionamento pois o bipolar, se não tratado, conserva uma significativa propensão a mudanças em seu humor, sua personalidade e em sua forma de interagir que, com certeza, ameaçará a consistência e a estabilidade procurada no relacionamento. É certo que nem todos os bipolares experimentam as distintas fases de humor da mania e da depressão, mas quando esses episódios ocorrem, eles certamente causarão estragos no relacionamento. Veja, abaixo, os motivos disso.

Durante a fase maníaca (excitação), a pessoa pode perder o seu senso de julgamento. Isso significa gastar dinheiro imprudentemente, tornar-se promíscuo, envolver-se em comportamentos de risco como uso de drogas e álcool, e até mesmo ter problemas com a lei. Imagine a sua esposa ou marido, com transtorno bipolar em fase maníaca: pode ​​ser extremamente prejudicial para o relacionamento pois são altas as chances de fazer coisas arriscadas ou coisas que representam um real perigo financeiramente. Por outro lado, há a depressão, a qual pode fazer com que a pessoa se ausente completamente de tudo - e de todos - em torno dele ou dela. Se você é parceiro(a) de alguém assim, é muito frustrante e certamente você vai querer puxá-lo(a) para fora da concha mas não saberá como fazê-lo.

O transtorno bipolar pode ser um problema desde a fase de namoro. Ao conhecer alguém por quem se interessa, é natural querer deixar uma boa impressão. Revelar que possui transtorno bipolar pode não ser o começo mais auspicioso. Há sempre o medo de assustar a pessoa e perder a oportunidade de conhecê-lo(a) mais profundamente. Em algum momento, porém, isso tem que ser revelado, em especial quando sentir que há uma forte atração mútua e houver o desejo tornar o relacionamento mais sério. Isto é, quando houver a decisão de namorar, cada um deve deixar claro o que inclui o pacote.

Saber o que desencadeia os ciclos de hipomania, mania e depressão e identificar os sinais de alerta de que o bipolar está entrando em uma ou outra fase do ciclo pode ajudar a pessoa a evitar situações desconfortáveis ​​em seu novo relacionamento, afinal, quanto mais ela souber quais são seus ciclos, mais ela pode ser responsável ​​por eles. Os sinais de alerta podem incluir o sono perturbado e as mudanças no nível de atividade.

Falando na vida a dois, sabemos que qualquer coisa, desde o estresse no trabalho até questões de dinheiro, pode gerar argumentos negativos e colocar pressão sobre um casamento. Mas quando um(a) parceiro(a) possui transtorno bipolar, estressores simples podem alcançar proporções épicas. Essa é uma possível causa das separações de até 90% dos casais envolvendo alguém com transtorno bipolar. Não há como negar que um casamento ou namoro com alguém com transtorno bipolar é difícil - mas não é impossível. É necessário muita compreensão e esforço de ambos para garantir que o casamento sobreviva.

O primeiro passo é diagnosticar e tratar a condição do bipolar. Pode ser que tenha que usar estabilizadores de humor e/ou antidepressivos. É indispensável a psicoterapia com um psicólogo experiente, onde haverá o aprendizado de meios para controlar os comportamentos que estão estressando o relacionamento do casal. O ideal seria se o cônjuge não bipolar também fizesse uma psicoterapia pois assim entenderia por que seu parceiro(a) tem certos comportamentos e aprenderia melhores maneiras de reagir. Ser envolvido(a) no pode realmente ajudar a tornar o tratamento para o transtorno bipolar de seu cônjuge um esforço colaborativo, tendo como uma boa consequência, o fortalecimento do vínculo do casal.

Embora o(a) bipolar queira se arrastar para o seu casulo autoimposto quando estiver deprimido e sentir que está no topo do mundo quando entrar na mania, é importante aceitar a ajuda quando for oferecido. Seria muito interessante fazer um tipo de “contrato”, pelo qual o casal pode decidir antecipadamente em quais circunstâncias deverá ocorrer a ajuda ao parceiro(a). Para o cônjuge da pessoa bipolar, saber quando oferecer ajuda é uma maneira de expressar que reconhece como seu(sua) parceiro(a) está se sentindo. É também uma forma de mostrar que está atento(a) aos estados de espírito do cônjuge. Então, quando perceber algo do(a) bipolar, como uma depressão, por exemplo, poderá fazer perguntas como: "Como você se sente?", "O que você precisa de mim?". Esta suave oferta vai ajudar a manter ambos os parceiros no caminho certo.

Aqui estão algumas outras maneiras que aliviam um pouco do estresse desse tipo de relacionamento:
  • Tome sua medicação conforme prescrito, e mantenha todos os seus compromissos com seu médico.
  • Frequente regularmente as sessões de psicoterapia e siga as orientações do psicólogo.
  • Gerencie seu estresse de melhor maneira que puder, seja escrevendo um diário, fazendo longas caminhadas ou ouvindo música.
  • Tente equilibrar o trabalho com atividades mais agradáveis.
  • Tenha ciclos de sono regulares.
  • Alimente-se de forma saudável e faça exercícios regularmente.
  • Evite álcool, drogas e cafeína .

Atenção: Se você já pensou em se machucar ou em se suicidar, procure ajuda imediatamente.

Use computador para ver todo o conteúdo do blog.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marque uma consulta pelos fones 11.5081-6202 e 94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br  

terça-feira, 18 de julho de 2017

A VIDA COM QUEM TEM TRANSTORNO BIPOLAR

Manter um relacionamento romântico, seja namoro ou casamento, tem grandes chances de se tornar algo complicado, mas, se o relacionamento for com uma pessoa portadora de transtorno bipolar, essa experiência pode se comparar a um passeio de fortes emoções numa montanha russa, típico de relações ainda mais desafiadoras.

O transtorno bipolar é um tipo de patologia mental grave. A vida daqueles que sofrem com isso é extremamente impactada por esse quadro. Enquanto outros distúrbios, como depressão e ansiedade, podem funcionar em ciclos ou ondas, o transtorno bipolar exige uma atenção e manejo constante e vigilante, sendo sua marca registrada, o contínuo desequilíbrio de humor.

A pessoa pode passar de um estado deprimido a uma alegria intensa ou muita excitação, ou pode experimentar outras mudanças de humor que afetam a sua capacidade de funcionar adequadamente. Essas pessoas muitas vezes têm dificuldade para dormir, não sendo incomum que fiquem de dois a três dias em vigília porque a mente e o corpo simplesmente não os deixam dormir.

Como esses sintomas afetam os entes queridos de quem é “Bipolar”? Isso é um pouco complicado. Os pais, irmãos, amigos, cônjuges, namorados(as) e colegas de trabalho percebem que esses indivíduos passam da depressão para a alegria maníaca, porém poucos percebem e entendem de imediato o que está acontecendo. Somente aos poucos, as pessoas do relacionamento desses pacientes vêem a realidade e começam a entender que eles não podem esperar que a pessoa sempre seja constante. Acabam sabendo que o humor e o comportamento podem mudar significativamente.

A situação é mais difícil quando os entes queridos não sabem qual é o problema. Ver a mudança de humor de alguém pode ser muito confuso. Os entes queridos não entendem como a desordem funciona, mas, ao mesmo tempo, ficam se perguntando por que a pessoa muda tanto. Pois saiba que se o humor de alguém mudar muito mais do que o seu, provavelmente eles têm um transtorno de humor. Assim como a depressão é um exemplo de um transtorno do humor, o transtorno bipolar é outro.

Se os entes queridos vivem na mesma casa da pessoa com transtorno bipolar, a situação se torna especialmente difícil. A razão é que o indivíduo “bipolar” passa por grandes transformações de humor e ele próprio se sente sobrecarregado com isso, a ponto de, com frequência, ter a perda de controle como resultado. Esta mudança de humor muitas vezes desaba sobre os outros, logo, dá prá imagina como fica o humor de todos no ambiente doméstico. As pessoas podem se ver andando sobre ovos, com todo o cuidado possível, apenas porque nunca sabem o que esperar da reação do parente / amigo “bipolar”.

Um outro aspecto é quando o “bipolar” entra num ciclo maníaco (caracterizado por muita energia e excitação pessoal), a incapacidade de dormir pode atrapalhar toda a casa. Se você dividir a cama com uma pessoa assim, poderá acordar às 4 da manhã e se perguntar onde ela está!. Pode ser que você fique aborrecido por pensar que ela ou ele, por três noites seguidas, foi incapaz de se deitar na cama e dormir com você. Por outro lado, se você não dividir a cama com o “bipolar”, ele pode estar fazendo tanto barulho no meio da noite que acaba mantendo os outros da casa acordados.

Em geral, amar alguém com transtorno bipolar gera medo e ansiedade e, por isso, é recomendável procurar ajuda de um amigo que tenha tido um relacionamento com pessoa com transtorno bipolar, ou encontrar um psicoterapeuta com quem você possa discutir como isso afeta a sua vida. Embora você possa acreditar que está bem e que faz o melhor na situação, falar as coisas pode ajudar a reduzir sua própria frustração e ansiedade.

Use computador para ver todo o conteúdo do blog.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marque uma consulta pelos fones 11.5081-6202 e 94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br  


quarta-feira, 28 de junho de 2017

AFINANDO CORPO E MENTE

Pessoal,

Muita gente exagera na preocupação com a alimentação, com o Ph da água, em não ingerir lactose, que tudo seja sem glúten, sem açúcar...etc. O que preocupa é que essas pessoas se esquecem de se preocupar com as emoções.

Recebi uma interessante mensagem sobre esse tema, e quero compartilhá-la com vocês...

"O Dr. Juan Hitzig é um médico argentino especializado em Psicobiologia do Estresse e Envelhecimento; ele estudou as características de alguns longevos saudáveis e concluiu que, além das características biológicas, o denominador comum entre todos eles está em suas CONDUTAS E ATITUDES. Veja a seguir, como isso funciona.

Cada pensamento gera uma emoção e cada emoção mobiliza um circuito hormonal que terá impacto nos trilhões de células que formam um organismo. Detalhadamente, ele explica:

  • As condutas "S" (serenidade, silêncio, sabedoria, sabor, sexo, sono, sorriso) promovem secreção de SEROTONINA.
  • As condutas "R" (ressentimento, raiva, rancor, repressão, resistências) facilitam a secreção de CORTISOL, um hormônio "CORROSIVO" para as células, que acelera o envelhecimento.
  • As Condutas "S" geram atitudes "A"* - ânimo, amor, apreço, amizade, aproximação.
  • As Condutas "R" pelo contrário geram atitudes "D" - depressão, desanimo, desespero, desolação.

Aprendendo esse alfabeto emocional, conseguiremos viver mais tempo e melhor, porque o um corpo-mente com muito cortisol e pouca serotonina deteriora a saúde, oportuniza as doenças e acelera o envelhecimento. O bom humor, pelo contrário, é a chave para a longevidade saudável.

TENHA UMA EXCELENTE VIDA !!!! PLENA DE SEROTONINA !!!

E a amizade certamente aumenta essa produção..."

Mensagem interessante, não? Espero que você se anime a cuidar mais de seu "corpomente".

Use computador para ver todo o conteúdo do blog.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marque uma consulta pelos fones 11.5081-6202 e 94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br  

terça-feira, 30 de maio de 2017

MENINAS, DIGAM "NÃO" À DITADURA DA BELEZA

Ah, como seria maravilhoso se a beleza interior sempre triunfasse sobre a aparência externa...

Que menina não passou por alguma situação em que se sentiu avaliada através dos olhares dos outros? O que, talvez, muitos não entendem é o quanto isso pode ser dramático para as pessoas, especialmente para as jovens adolescentes. E isso não ocorre apenas quando há o interesse por um relacionamento romântico, mas sim, em todas as interações humanas.

Infelizmente vivemos numa sociedade onde a mídia, principalmente a televisiva, impõe um padrão de beleza de forma cruel, e que causa distúrbios psicológicos de toda ordem. Em nosso país, a valorização de um específico modelo de corpo é um verdadeiro absurdo, pois a imagem corporal imposta não corresponde à realidade da vida das mulheres brasileiras, seja por características biológicas, por falta de tempo e dinheiro para “se cuidar” ou mesmo por que não querem ser diferentes do que são. Entretanto, por força da mídia, uma garota que não seja magra e com o corpo sarado, com a pele e cabelos perfeitos, pode ter sua autoestima severamente diminuída, gerando sentimentos de medo, insegurança, frustração, angústia, ansiedade e, até mesmo, depressão. Em muitos casos, as garotas podem apresentar fobia social e transtornos alimentares. Alie-se a isso, o fato de que esse padrão transforma as meninas em insaciáveis consumistas, todas em busca do ideal de beleza e aparência. As garotas adolescentes são o alvo principal desse bombardeio midiático e capitalista, mas os garotos também o são, ainda que num menor grau.

Para seu conhecimento, outros comportamentos típicos da jovem com baixa autoestima são a necessidade de aprovação (quer ser reconhecida; quer agradar a todos), dependência financeira e emocional, inveja, ciúmes excessivos, sentimento de incapacidade para realizar as coisas, dúvidas do próprio valor, não confiar em si e em ninguém, autoproibição para errar, perfeccionismo, raiva, agressividade, comodismo, vergonha, dificuldade para desenvolver-se psicologicamente e sentimento de inferioridade. Muitos casos de autoflagelação (cortar-se; arranhar-se; machucar-se) também estão associados a essa questão.

É cada vez maior a procura por academias e clínicas de estética e não há problema algum em querer se manter bonita e saudável. Observa-se, contudo, exageros, seja por exercícios levam à exaustão, seja pela privação de alimentos que pode causar doenças como anorexia e bulimia, ou através de cirurgias estéticas que já levaram à morte tantas moças famosas e anônimas.

O que fazer? Qual é o ponto em questão?

O ponto é que a cultura e a mídia seguirão impondo o que é ou deve ser visualmente desejável, independentemente de nosso próprio desenho intuitivo ou o que realmente queremos ou achamos atraente. O “photoshop” é mágico e faz as “correções” na imagem, mas a vida real não é assim. As meninas querem e tentarão quase qualquer coisa para terem o ideal. O problema é que nunca há um ponto final porque o ideal é inalcançável. No final das contas, vem a frustração pela percepção de que o excesso de preocupação com a beleza é desnecessário, uma vez que o conceito de beleza é relativo e muda frequentemente por conta dessa mesma cultura.

Procurar o ideal do corpo não é como identificar uma profissão que se quer seguir. O corpo está determinado pela genética e não há como ir contra isso. A garota pode pagar por um monte de produtos de beleza e cirurgia plástica para melhorar e embelezar a aparência para sentir-se atraente em nossa cultura, mas existem limitações. Produtos e cirurgia não podem mudar o tamanho do quadril, a altura ou a mudança como nossos corpos usam e armazenam gordura. Produtos e cirurgia podem melhorar, mas não criam autoestima – esse é o ponto principal.

Os sentimentos gerados pela ditadura da beleza também geram, com frequência, graves problemas na vida pessoal e na carreira profissional. Por exemplo, a garota fica suscetível a se envolver em relacionamentos instáveis e infrutíferos; por medo de perder o relacionamento e medo de não conseguir conquistar outro, acaba ficando em posição de submissão. Na vida profissional, como ela não confia em si mesma, acaba criando obstáculos para os desafios que surgem – ela tem medo de se arriscar por achar que não vai conseguir.

Quero dizer a vocês, jovens garotas, e também aos seus pais e mães, que a verdade é que não há fórmulas mágicas para melhorar a autoestima. A única solução é o autoconhecimento. Compare a vida de uma garota com essas dificuldades a um guarda-roupa bagunçado, onde é muito difícil encontrar uma roupa limpa (qualidades). É preciso achar as roupas que devem ser lavadas, as que não servem mais (livrar-se de mágoas que ocupam espaço na vida da garota levando-a a sofrer). Depois disso, é necessário encontrar as roupas que estão ali, novinhas sem nunca terem sido usadas (potencial). Pode ser trabalhoso, mas o autoconhecimento permite à pessoa ver as coisas com mais clareza, encontrando as qualidades muitas vezes reprimidas, negadas pela própria pessoa e/ou pelos outros. Mas tem que querer fazer essa mudança, senão não adianta.

Algumas mudanças de postura contribuem para melhorar a autoestima feminina, como fazer algo que gosta; aceitar críticas construtivas; abandonar a coitadinha guardada em si; não afogar as mágoas comendo; realizar práticas espiritualizadas; fazer exercícios físicos; fazer psicoterapia e escolher ser feliz. Não se enquadre em modelos já estabelecidos, pois a beleza está nos olhos de quem vê. Não é uma ciência exata como, por exemplo, a matemática, em que dois mais dois é igual a quatro e não há questionamentos. Ao contrário, o conceito de beleza é subjetivo e são as imperfeições que formam a perfeição relativa.

Use computador para ver todo o conteúdo do blog.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marque uma consulta pelos fones 11.5081-6202 e 94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br  

segunda-feira, 10 de abril de 2017

VOCÊ PRECISA DE PSICOTERAPIA?

Problemas na vida são inevitáveis e muitos desses problemas nos afetam severamente, a ponto de ser necessário iniciar um processo psicoterapêutico. Diversas pesquisas mostram que a psicoterapia é eficaz no tratamento de muitos tipos de problemas psicológicos, além de ensinar habilidades que deixam as pessoas com novas estratégias para lidarem mais eficazmente com esses problemas, se surgirem novamente no futuro.
As pessoas, com uma ampla gama de problemas - da depressão à luta conjugal, de fobias simples como o medo de voar ao pânico total - podem se beneficiar em muito com a psicoterapia. Nesse artigo, quero apresentar as razões mais comuns que levam uma pessoa a procurar a terapia:
  • Angústia Emocional Significativa ou Crônica: A maioria das pessoas que procuram psicoterapia o fazem para aliviar uma dor emocional ou angústia. Experimentar dor emocional é parte de ser humano, mas, por vezes, esta aflição é grave ou de longa data, e pode prejudicar a sua vida diária. A psicoterapia, então, é um método muito apropriado para sanar essa angústia - tristeza, ansiedade, medos, etc. - que seja persistente e preocupante.
  • Problemas de relacionamento: Muitas vezes, o sofrimento emocional ou psicológico advém de dificuldades nos relacionamentos interpessoais. Essas relações problemáticas podem ser com o marido ou esposa, com pai ou mãe, filhos, colegas de trabalho ou amigos. Ao fazer psicoterapia, você poderá compreender a raiz do problema e aprender as ferramentas que lhe trarão uma significativa melhora em suas relações humanas.
  • Aquisição de Competências: Alguns sofrimentos emocionais ou problemas de relacionamento estão associados à falta de uma habilidade particular. Tais problemas podem incluir timidez excessiva, má comunicação, falta de assertividade ou um fraco controle da raiva. A psicoterapia ajuda as pessoas a adquirirem ou melhorem essas habilidades. Nesses casos, o tratamento se concentra em ensinar as pessoas a serem capazes de fazer o que precisam para se sentirem melhores e mais capazes.
  • Problemas Sexuais: Insatisfação sexual e disfunção sexual são problemas comuns que podem ser embaraçosos para falar. A boa novidade sobre isso é que, ao longo das últimas décadas, os psicoterapeutas fizeram progressos substanciais quando se trata de ajudar as pessoas a obterem prazer e satisfação em seus funcionamentos sexuais.
  • Perda Recente: É próprio do ser humano, apegar-se “poderosamente” a outras pessoas. O processo de adaptação à interrupções dessas relações caracterizadas pelo apego (morte ou separação), frequentemente traz muita dor emocional. A psicoterapia pode ajudá-lo a lidar com a perda – elaborando o luto.
  • Vítima de Trauma ou Abuso: Ser vítima de abuso físico ou sexual, ou outra forma de violência - como estar em um acidente de carro - pode diminuir a sua capacidade de lidar com as lembranças desses fatos e deixar cicatrizes que prejudicam a sua capacidade de viver uma vida normal. A psicoterapia pode ser, para você, um ambiente confidencial para discutir esses traumas que fazem a pessoa inquieta e insegura. Ao se concentrar na cura da ferida causada pelo trauma, a psicoterapia pode ajudá-lo a avançar com sua vida.
  • Casos Clínicos Tratados pela Psiquiatria: Há pacientes portadores de certos distúrbios ou condições mais graves, que se beneficiam de terapêuticas que mesclam psicoterapia e outras formas de tratamento, tais como medicação. Por exemplo, pesquisas mostram que indivíduos com depressão maior ou transtorno bipolar em muito se beneficiam de uma combinação de psicoterapia e medicação. Um tipo de tratamento sem o outro pode produzir resultados inadequados.
  • Crescimento Pessoal / Autodesenvolvimento: Embora você possa não ter condições clínicas ou sintomas, a psicoterapia pode ajudá-lo a aprender mais sobre si mesmo e sobre as outras pessoas, além de ensinar-lhe como controlar sua vida de forma mais eficaz. Ela pode ajudá-lo a superar os obstáculos que o impedem de alcançar seus objetivos e se tornar a pessoa que você quer ser.

Na próxima vez que você se sentir ansioso, deprimido ou precisar de ajuda para lidar com momentos difíceis ou situações dramáticas, considere tratar-se com psicoterapia. Sei que algumas pessoas se perguntam por que eles não podem apenas falar sobre seus problemas com os membros da família ou com seus amigos. Bem, quero dizer que os psicólogos são, de fato, uma melhor alternativa pois oferecem mais do que essas pessoas podem oferecer quando se trata de escutá-lo. Nós, psicólogos, temos anos de estudos, treinamento e experiência quando a questão é ajudar as pessoas a melhorarem suas vidas.
Se você, ou alguém que você conhece, está pronto e desejoso para começar a seguir um caminho a favor de uma vida com melhor saúde e pleno de autoconhecimento, considere a psicoterapia - é mais do que uma correção rápida com poder de permanência.

Use computador para ver todo o conteúdo do blog.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marque uma consulta pelos fones 11.5081-6202 e 94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br  

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

CUIDADO, VOCÊ PODE ESTAR SENDO MANIPULADO!



Pelo simples fato de vivermos em sociedade, há uma enorme chance de sermos manipulados (ou manipularmos) por uma outra pessoa. Todos buscamos uma maior segurança e possibilidade de sobrevivência, o que é mais facilmente alcançável se houver a colaboração entre todos. No entanto, manipular pessoas psicológica e emocionalmente parece ser, infelizmente, para muita gente, um dos pilares sobre os quais se consegue maior domínio sobre o outro e assim, a ilusão de estar mais seguro.

A manipulação psicológica é a prática de influenciar indevidamente a alguém, com a intenção de tomar-lhe o poder, controlá-lo e obter benefícios e privilégios às custas desta vítima, seja por distorção mental e/ou exploração emocional.

A manipulação é o “pão de cada dia” da sociedade na qual vivemos e todos, querendo ou não, já sofreram com ela ou a praticaram em algum momento. Então, é importante identificar a diferença entre a influência social saudável e a manipulação psicológica: a influência social saudável ocorre entre a maioria das pessoas e è parte do "dar" e "receber" das relações construtivas; por sua vez, na manipulação psicológica, uma pessoa é usada em benefício da outra. O manipulador cria, deliberadamente, um desequilíbrio de poder e explora a vítima para servir às suas necessidades.

Para ficar bem claro, podemos considerar o seguinte:

As fontes mais frequentes de poder são Bens Materiais (que significa qualquer coisa que represente posse), Informação, Tempo e Afeto / Reconhecimento. Na busca de mais poder sobre o outro, o manipulador dá, nega ou controla Bens Materiais, Informação, Tempo e Afeto / Reconhecimento para obter da vítima, através do medo, culpa ou suborno, mais Bens Materiais, Informação, Tempo e Afeto / Reconhecimento. Graficamente podemos representar assim:


Processo de Manipulação Psicológica e Emocional


Aprender a detectar a manipulação emocional e psicológica implica em poder evitá-la, e para isso, a primeira coisa a se fazer é saber como ela realmente acontece. Abaixo estão algumas formas de manipulações habituais usadas para coagir os outros e colocá-los em posição de desvantagem. Evidentemente, nem todos que agem dessas maneiras estão deliberadamente tentando manipular - algumas pessoas simplesmente têm maus hábitos. Ainda assim, é importante reconhecer esses comportamentos e situações onde seus direitos, interesses e segurança estão em jogo. As formas de manipulações são:

1. Vantagem do Ambiente Privilegiado: O manipulador pode insistir que você se encontre com ele e para, então, interagir num espaço físico em que ele possa exercer mais domínio e controle. Os locais comuns para isso são o escritório do manipulador, casa, carro ou outros espaços onde ele se sente dono e tem mais familiaridade – algo que falta a você.

2. Prospecção e/ou Investigação: O manipulador estimula e permite que você fale primeiro para estabelecer sua linha de pensamento e procurar as suas fraquezas. Muitos vendedores fazem isso ao tentar vender algo para você, fazendo perguntas gerais e sondagens. Com isso estabelecem uma linha de pensamento e comportamento, a partir da qual eles avaliam seus pontos fortes e fracos. Este tipo de questionamento com intenção não revelada também pode ocorrer no local de trabalho ou em relacionamentos pessoais.

3. Manipulação de Fatos: Manipula-se fatos de várias maneiras tais como mentindo, pedindo desculpas, culpando a vítima por causar sua própria vitimização, deturpando a verdade, divulgando ou retendo informações estrategicamente, exagerando, subestimando, adotando um viés unilateral da questão e várias outras formas.

4. Oprimir Com Fatos e Estatísticas: Alguns indivíduos fazem uma espécie de "bullying intelectual", presumindo serem especialistas e mais experientes em determinadas áreas. Eles se aproveitam de você ao impor fatos, estatísticas e outros dados que você talvez saiba pouco. Isso pode acontecer em vendas, situações financeiras, discussões e negociações profissionais além dos relacionamentos interpessoais e sociais. Acreditando terem mais conhecimentos específicos do que você, os manipuladores esperam lhe pressionar com isso pois imaginam-se mais convincentes. Algumas pessoas usam esta técnica sem outra razão senão sentir um sentimento de superioridade intelectual.

5. Inibir o Outro Com Procedimentos e Burocracia: Certas pessoas usam a burocracia (papelada, procedimentos, leis e regulamentos, comitês e outros obstáculos) para manter sua posição e poder, ao mesmo tempo em que tornam sua vida mais difícil. Essa técnica também pode ser usada para atrasar a descoberta de fatos e a busca da verdade, ocultar falhas e fraquezas e escapar de decisões supostamente desfavoráveis ao manipulador.

6. Levantar a Voz e Expressar Emoções Negativas: Há quem levante a voz durante as discussões como forma de manipulação agressiva. A suposição costuma ser a de que ao levantar a voz o suficiente ou exibir emoções negativas, você vai se submeter à sua coerção e dar o que ele quer. A voz agressiva é frequentemente combinada com uma linguagem corporal igualmente agressiva.

7. Surpresas Negativas: É comum o uso de surpresas negativas para colocar a vítima em desequilíbrio, e assim ganhar uma vantagem psicológica. Podem ser usadas numa situação de negociação, numa tentativa da pessoa em alcançar algo a mais para si mesmo, sendo que ao ter uma surpresa negativa, passa a acreditar que não será capaz de alcançar. Normalmente, as informações negativas inesperadas vem sem aviso, então você tem pouco tempo para se preparar e à ela adaptar-se.

8. Pouco ou Nenhum Tempo Para Decidir: Esta é uma tática comum, onde o manipulador coloca pressão sobre você para tomar uma decisão antes de você estar pronto. Ao aplicar tensão e controle, ele imagina que você vai "rachar" e ceder às demandas dele.

9. Humor Negativo Programado Para “Cutucar” Suas Fraquezas e Diminuir o Seu Poder Pessoal: Alguns manipuladores gostam de fazer comentários críticos, muitas vezes disfarçados de humor ou sarcasmo, para fazer você parecer inferior e menos seguro. Os exemplos podem incluir qualquer variedade de comentários que vão desde a sua aparência, o modelo antigo de seu celular, a sua condição financeira ou simplesmente o fato de você chegar dois minutos atrasado e sem fôlego. Fazendo você ficar mal, o agressor espera impor superioridade psicológica sobre você.

10. Julgar e Criticar Provocando Sentimento de Inadequação: Diferente do anterior onde o humor negativo disfarça a má intenção, aqui o manipulador declaradamente lhe desmerece. Fazendo isso constantemente, marginalizando-o e ridicularizando-o, ele tira o seu equilíbrio e consegue manter a sua superioridade. O agressor promove, deliberadamente, a impressão de que sempre há algo errado com você, e que não importa o quanto você tente melhorar pois nunca será bom o suficiente. Significativamente, o manipulador enfoca o negativo sem fornecer soluções genuínas e construtivas, ou sem oferecer maneiras significativas de ajudar.

11. O Tratamento Silencioso: Ao deixar de atender as suas ligações ou responder as suas chamadas, mensagens de texto, e-mails ou outras formas de contato, o manipulador presume possuir poder, fazendo você esperar e pretendendo colocar dúvidas e incertezas em sua mente. O tratamento silencioso é um jogo mental onde o silêncio é usado como uma forma de alavancar poder.

12. Fingir Ignorância: Esta é a tática clássica de "fazer-se de bobo". Ao fingir que não entende o que você quer, ou o que você quer que ele faça, o manipulador faz você assumir o que é da responsabilidade dele. Algumas crianças usam esta tática para atrasar, parar e manipular adultos para fazerem por eles o que não querem fazer. Alguns adultos usam essa tática também quando têm algo a esconder, ou obrigação que desejam evitar.

13. Vitimização: As formas mais comuns de vitimização são o exagero dos problemas pessoais ou de saúde reais ou imaginários, a dependência, a codependência, a revelação de que é frágil para suscitar simpatia e favores, agindo de modo errado, sendo fraco, impotente ou um mártir – nesses casos, pode inclusive, ser tudo falso.

Enfim, fica evidente que a finalidade do manipulador é, na maioria das vezes, explorar a boa vontade da vítima, deixá-la com a consciência culpada, estabelecer um senso de dever e obrigação ou um instinto protetor e nutridor, a fim de extrair benefícios e concessões não razoáveis.

Use computador para ver todo o conteúdo do blog.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marque uma consulta pelos fones 11.5081-6202 e 94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br  

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

ADOLESCENTES E PSICOTERAPIA

Sinal dos tempos: está havendo, por parte dos adolescentes, uma maior procura por psicoterapia pois almejam o autoconhecimento e a aquisição de conhecimentos sobre a maneira de pensar, sentir, agir e reagir. Nesse artigo, compartilharei alguns aspectos valiosos de minha experiência com adolescentes, esse grupo de pessoas especiais e surpreendentes, e que expressam comportamentos, pensamentos e emoções que variam na escala do “nem são crianças – nem são adultos”.

Os pais querem ver seus filhos bem ajustados, felizes, bem sucedidos e socializados, mas essa é uma condição difícil para os adolescentes pois também estão lidando com a pressão dos colegas, alterações hormonais, expectativas acadêmicas, ideais familiares e o próprio processo de autodescoberta – tudo ao mesmo tempo!!!

A boa notícia é que os adolescentes atuais não mostram preconceito com relação à psicoterapia. A maioria concorda que fazer terapia não significa que a pessoa é louca! Pelo menos 1 em cada 5 adolescentes (20%) têm indicações de psicoterapia, e isso é bem compreensível. Por exemplo, se você quebrar sua perna, você vai a um ortopedista. Se você tem uma dor de ouvido, você vai ao otorrinolaringologista. Se você está deprimido, ansioso ou precisar de alguém para conversar, você vai a um psicoterapeuta cuidar de sua saúde mental.

A saúde mental refere-se, simplificadamente, a como a pessoa age, sente e pensa em diferentes situações. Pode-se dizer que os adolescentes têm problemas de saúde mental quando suas ações, sentimentos ou pensamentos criam regularmente obstáculos em suas vidas. Todo mundo tem momentos em que pensam ou sentem algo que não gostam. Outras vezes, as pessoas fazem coisas que outros não gostam. Ambas as situações são normais, mas quando os indesejados pensamentos, sentimentos ou ações frequentemente criam problemas, há a necessidade da avaliação de um especialista. E quais são, de modo geral, os problemas mais frequentes que os adolescentes apresentam?

As mais frequentes dificuldades dos adolescentes podem ter diversas causas, tais como:
  • Insegurança pessoal: Os adolescentes estão numa fase em que a autoestima pode sofrer alguns “bombardeios”, deixando-os inseguros ou agressivos.
  •  Violência: Quando algo ruim acontece com uma pessoa, ou vêem algo de ruim acontecer, eles podem desenvolver uma dificuldade de comportamento, sentimento ou pensamento ligada ao tema.
  • Sexualidade: Esse tema pode ser considerado o mais frequente. São muitas dúvidas sobre sexualidade que afetam o bem estar e a segurança pessoal.
  • Estresse e ansiedade: Todo mundo fica estressado. Alguns estresses podem ser até ser úteis (como motivar você para estudar para a prova). Mas outros podem causar problemas.
  • Perder um relacionamento: Se alguém próximo a você morre, afasta-se ou não quer mais ser amigo(a) / namorado(a), é normal sentir-se triste ou solitário(a). Geralmente, esses sentimentos melhoram ao longo do tempo, mas também podem se agrava ou afetar outras partes de sua vida.
  • Condições médicas: Algumas condições médicas podem fazer você pensar, sentir ou agir estranhamente.
  • Problemas de humor: Nesse grupo incluem-se a depressão, tristeza, irritabilidade e perda de interesse ou prazer por várias atividades.
  •  Transtornos alimentares: Bulimia e anorexia, a preocupação com a imagem corporal quando exageradas merecem atenção especial.
  • Conduta: Comportamentos repetitivos de contrariedade a normas e padrões sociais, conduta agressiva e desafiadora merecem uma reflexão e eventual mudança.

Eu trabalho com adolescentes a partir dos 15 anos e percebo que eles, inicialmente, se sentem desconfortáveis ao falar dos seus problemas. É absolutamente normal sentir uma estranheza ao falar sobre coisas sensíveis e pessoais. À medida em que se acostumam com o psicoterapeuta, seguem de modo mais confiante e relatam facilmente suas necessidades e desejos. Adolescentes querem falar de si e gostam de ser o centro das atenções. O terapeuta tem que dar a condição para que o jovem discuta sobre sua vida. Isso pode, às vezes, não incluir familiares ou problemas escolares; por outro lado, seus amigos, seus sonhos e objetivos, seus sentimentos e suas frustrações são, com certeza, os temas favoritos de discussão.

Adolescentes facilmente se envergonham. Eles estão numa idade em que a autoestima e confiança está ainda se desenvolvendo. Quaisquer dúvidas ou atividades que os coloquem em ameaça produzirão posturas defensivas e progresso difícil na psicoterapia. Eles precisam se sentir respeitados e valorizados para que o processo funcione. A confidencialidade da terapia, por exemplo, é essencial para o sucesso do tratamento, logo, é necessário definir claramente o que é da competência dos pais, sendo necessário haver fidelidade entre o adolescente e seu terapeuta.

Minha abordagem é a Psicoterapia Individual, onde o adolescente se encontra sozinho comigo para falar sobre seus problemas. Cada sessão dura cerca de 50 minutos e, certamente, poderei pedir-lhe que identifique seus sentimentos e seus problemas. Às vezes, recomendo um "dever de casa" para ajudá-lo a lidar com os problemas. Tudo que é dito na terapia é confidencial, a menos que eu tenha fundamentos para acreditar que o jovem pode se machucar ou a alguém.

Dicas finais:
  • Os adolescentes não podem ser forçados a fazerem psicoterapia, seja qual for o motivo.
  • O terapeuta não vai resolver os problemas do adolescente, mas dará o suporte para que ele mesmo faça isso. A terapia é útil se você trabalhar duro com o terapeuta. O terapeuta vai apoiá-lo, e sugerir formas úteis para trabalhar em problemas. Mas se você não trabalhar para resolver o problema, a terapia não vai funcionar.
  • Não aceite, em hipótese alguma, contatos de ordem sexual. Se houver alguma tentativa, diga “não” e conte a seus pais. Qualquer tipo de contato sexual na psicoterapia é inadequada.
Use computador para ver todo o conteúdo do blog.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marque uma consulta pelos fones 11.5081-6202 e 94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br