ARTIGOS MAIS LIDOS:
Daqui em diante, você encontrará muitos outros artigos sobre psicologia. A finalidade da Psicoterapia é entender o que está ocorrendo com o cliente, para ajudá-lo a viver melhor, sem sofrimentos emocionais, afetivos ou mentais. Aqui você encontrará respostas sobre a PSICOTERAPIA - para que serve e por que todos deveriam fazê-la. Enfim, você encontrará nesses artigos,informações sobre A PSICOLOGIA DO COTIDIANO DE NOSSAS VIDAS.

DEIXE DE SER PESSIMISTA!


Por que ser tão pessimista? Deixe esses pensamentos de lado! 
Compartilhe esse artigo com seus amigas e amigos!
Alguém faz um comentário negativo no trabalho e você acredita que sua carreira acabou? Você vai mal numa prova e passa a pensar que não tem futuro? Seu/sua parceiro(a) critica a sua roupa você crê que ele(a) não lhe ama mais e que a separação está próxima? Seu filho tem uma dor de ouvido e você corre para o hospital? 
Se a resposta é “sim”, provavelmente você é uma pessoa pessimista ou “catastrófica”, ou seja, tem uma forma de pensar habitual e inconsciente que não é realista e que podemos chamar de “hábito de exagero negativo”. Trata-se de um hábito que faz a pessoa pensar sempre nos piores cenários, ou simplesmente transforma pequenos problemas em grandes. Claro que isso pode significar que você antecipa os problemas tanto quanto os cria. 
Por que você faz isso? O pensamento pessimista pode ser um hábito aprendido. Se você, por exemplo, cresceu com um pai que constantemente esperava o pior de todas as situações, você pode ter aprendido que essa é a maneira correta de ver o mundo. Mas pode ser, também, uma conexão a um passado difícil. Se algo ruim aconteceu que fez você acreditar que o mundo é um local perigoso, então a sua mente pode ficar “programada” para procurar o perigo em todas as partes. É uma condição ligada à ansiedade e ao medo - a ansiedade causa esse estado de prontidão, mas a causa catastrófica gera ansiedade. Quando se trata de trauma do passado associado à ansiedade, o pensamento pessimista ou catastrófico pode ser algo que você, inconscientemente, usa para tentar se sentir melhor - se você assumir o pior, você se sentirá menos ameaçado se algo ruim realmente acontecer, certo? Porém, assumir o pior o tempo todo significa que você simplesmente não pode viver uma vida feliz e equilibrada.
Como psicoterapeuta, tento ajudar as pessoas a ajustar seus pensamentos e seus comportamentos, porisso, gostaria de esclarecer esse assunto e oferecer algumas maneiras de parar com esses pensamentos pessimistas. O melhor seria fazer isso presencialmente, porém a leitura também pode ser bem útil.
As pessoas com esse tipo de pensamento podem ser do tipo que sentem um intenso medo de abandono que faz com que sempre pensem no pior sobre os outros, ou podem também, gostar de ser o centro das atenções, sendo as histórias exageradas uma das maneiras pelas quais conseguem isso. O fato é que, seja qual for a característica da pessoa, se você é “catastrófico”, isso precisa ser interrompido. Você pode até argumentar que esse tipo de pensamento tem um lado útil – o de estar sempre preparado para a ocorrência de coisas ruins. Mas há tantas conseqüências negativas que fazem isso não valer a pena. Essas consequências incluem: nunca alcançar metas, constantemente se sentir como um fracasso, desperdício de tempo e dinheiro tentando lidar com as chamadas "emergências", problemas de relacionamento quando você se chateia ou confia demais nos que estão ao seu redor, baixa autoestima, mau humor ou mesmo depressão, insônia e distúrbios de ansiedade e ansiedade. Além disso, o pensamento pessimista pode vir a ser uma profecia autorrealizável pois se você pensa negativamente, ocorrerá a elevação do nível dos hormônios do estresse, como o cortisol, os quais afetam sua capacidade de pensar e agir de forma clara. Logo, é muito mais provável que as coisas não irão dar certo!!
O que fazer, então, para interromper esses fluxos de pensamentos catastróficos ou pessimistas? Bem, abaixo seguem algumas maneiras pelas quais você pode começar a trabalhar na mudança desse modo de pensar que lhe torna praticamente incapaz de se sentir bem com você e com a vida.
Aprenda como diferenciar um pensamento e uma realidade: tente escrever ou gravar seus pensamentos por algumas semanas. No final de cada dia, veja o que você escreveu ou gravou e analise: Quão realista é cada pensamento? É um fato? Que prova você tem este pensamento é verdade? Você pode encontrar uma situação do passado que mostra que esse tipo de situação pode funcionar bem?
Medite: uma prática diária como essa que lhe faz focar a sua atenção em seus pensamentos e sentimentos no “aqui e agora”, também reduz seus níveis de estresse e ajuda a organizar-se mentalmente.
Sinta a si mesmo: catastrófico pode ser o modo de esconder-se das emoções dolorosas. Pergunte a si mesmo, qual é o sentimento por trás desse pensamento que eu estou tendo? Estou me sentindo nervoso, rejeitado, triste? Posso primeiro lidar com o sentimento?
Fale com o papel antes de falar com os amigos: antes de chamar os seus amigos e discutir sobre sua mais recente situação ruim, pare um momento para esvaziar as suas emoções para assim ver com as coisas com mais clareza.
Considere fazer psicoterapia: é muito difícil parar os nossos próprios hábitos sozinhos. Logo, procurar apoio é o melhor passo que podemos dar. Um psicoterapeuta certamente vai deixar você sabendo quais as relações do hábito de catástrofe com outros problemas psicológicos que também podem ser tratados. Você também aprenderá, com a psicoterapia, a se concentrar, reconhecer e assumir o controle do seu pensamento negativo, adquirindo assim uma visão mais equilibrada e realista.
Não exagere. Mantenha-se específico: um dos erros mais comuns do pensamento pessimista é exagerar o efeito de algo negativo ou imaginar que, se um aspecto de sua vida está indo mal, sua vida inteira está se desmoronando. É sempre tudo ou nada.
Obtenha uma boa condição física: ar fresco, uma corrida, a sensação do chão em seus pés, uma respiração profunda, uma sessão de alongamentos, um bom banho quente, etc. Tudo o que você puder fazer para ajudar a reduzir o sofrimento ansioso será bom. Isso é importante pois, em parte, são atividades lhe fazem a pessoa viver o presente e a interagir aqui e agora com os entornos. Quanto mais atividades físicas, melhor, curtindo os benefícios da endorfina produzida pelo exercício.
Espero que o artigo seja útil a você. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) que podem ser interessantes para o seu momento de vida! Também no Blog, na coluna do lado direito, há o campo “SIGA-ME POR EMAIL”. Basta escrever o seu para receber gratuitamente artigos sobre a Psicologia Humana.
Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes.
Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista.
Realiza Coaching Psicoterapêutico para desenvolvimento de carreiras.
Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados.
Marque uma consulta pelos fones 11.5081-6202 e 94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário