ARTIGOS MAIS LIDOS:
Daqui em diante, você encontrará muitos outros artigos sobre psicologia. A finalidade da Psicoterapia é entender o que está ocorrendo com o cliente, para ajudá-lo a viver melhor, sem sofrimentos emocionais, afetivos ou mentais. Aqui você encontrará respostas sobre a PSICOTERAPIA - para que serve e por que todos deveriam fazê-la. Enfim, você encontrará nesses artigos,informações sobre A PSICOLOGIA DO COTIDIANO DE NOSSAS VIDAS.

O QUE ESTÁ DIFICULTANDO A SUA VIDA SEXUAL?


É importante que você compreenda e silencie a voz interna que faz críticas sobre si próprio e que pode se tornar um dificultador da vida sexual!

A sexualidade convida o indivíduo a estar no momento presente,  conectado ao seu corpo, aos seus sentidos e à uma outra pessoa. No entanto, ter uma "voz interna”  fazendo críticas “dentro da mente” durante o sexo é um pouco como ter uma pessoa extra na cama realizando a análise de tudo, desde os seus desejos até a performance. Essas vozes internas críticas afastam a pessoa da experiência, a removem de seu corpo, deixando-a desconectada de seu parceiro, roubando-lhe momentos preciosos da sexualidade.
Provavelmente, não é surpresa para você o fato de que ter uma autoestima mais alta e uma imagem corporal mais positiva está relacionada ao aumento da satisfação sexual. Por outro lado, pensamentos negativos em relação a si próprio aumentam os níveis de estresse, o que pode diminuir a satisfação sexual. Significa que a boa autoestima, sentimento de autonomia e empatia foram positivamente associadas ao prazer sexual, enquanto que pessoas com baixa autoestima também podem perceber seus parceiros de uma forma mais negativa. O que tudo isso nos diz é que a capacidade de ver a si mesmo e ao seu parceiro através de olhos gentis e empáticos tem um grande impacto sobre o quanto se gosta de sexo.
Um dos principais responsáveis na criação de uma predisposição negativa para o sexo é a “voz interna crítica” a qual me referi no início desse artigo. Pode se dizer que se trata de um processo de pensamento destrutivo que sabota a satisfação sexual. À medida em que se ouve essa “voz”, há uma associação com sentimentos de autoconsciência, insegurança e vergonha, levando a um comportamento autolimitado ou mesmo autodestrutivo. Embora a maioria das pessoas saiba que os “ruídos” dos pensamentos autocríticos pode ser um grande burburinho quando se trata de sexo, nem sempre se está plenamente conscientes do quanto essa voz afeta as atitudes de uma pessoa. É interessante comentar que a “voz internas” trazem críticas sobre a própria pessoa, sobre o parceiro ou sobre sexo em geral - antes, durante e depois do sexo. Se, por um lado, a presença de tais pensamentos possam ser esperados (afinal, a sexualidade de uma pessoa é algo muito pessoal e há, de fato, a possibilidade de sentir-se bastante vulnerável ao abrir-se a outra pessoa), por outro, é impressionante o grau de crueldade de muitas “vozes internas” quando trazem emoções antigas e muito dolorosas.
Uma maneira comum pelas quais as pessoas podem ser muito indelicadas consigo mesmas com relação à própria sexualidade está nas “vozes internas críticas” que elas têm em relação a seus corpos. Veja alguns exemplos que ouço com frequência na condição de psicoterapeuta:
  • Eu sou horrível nu - é humilhante tirar a roupa!
  • Meus seios são muito grandes ou muito pequenos!
  • Meu pênis é muito pequeno, ela não ficará satisfeita – ela vai rir de mim!
  • Acho que estou muito velho – ela não se sente mais atraída por mim!
  • Ele vai ver o quão feia eu realmente sou!

Há também um monte de “vozes internas críticas” que surgem antes mesmo da experiência sexual. Muitos citam pensamentos como:
  • Eu realmente acho que ele está atraído por mim? Por que estaria?
  • Eu sou muito estranho. Ela vai perder o interesse.
  • Ele não vai gostar mais de mim se eu dormir com ele.
  • Por que estou pensando em sexo novamente? Será que sou pervertido?
  • Cuidado, ele provavelmente está apenas me usando!
  • Eu sei que vou me envergonhar.
  • Ela preferia estar com outra pessoa.
  • Eu não devo procurar o sexo – eu serei rejeitado!
  • É nojento querer sexo.
  • Eu não sei o que fazer!

Muitas pessoas têm “vozes internas críticas” durante o sexo, e isso prejudica que elas se sintam no aqui e agora. São, novamente, ataques a si mesmos, ao seus desempenhos, seus parceiros ou em relação ao sexo em geral, impedindo-os de desfrutar da experiência do momento.
  • Eu não estou fazendo ela se sentir bem.
  • Eu deveria estar fazendo isso ou aquilo.
  • Ele provavelmente está sem pensar em mim.
  • Eu não estou sendo bacana o suficiente.
  • Eu sou muito ruim nisso.
  • Ela não parece tão animada.
  • Eu estou fazendo algo errado.
  • Eu não vou conseguir terminar.
  • Eu vou demorar para gozar.
  • Não vou dizer a ele o que eu quero senão vou parecer uma aberração.
  • Por que ele não sabe o que eu quero?
  • Ele acha que sou péssima nisso.
  • Ele é tão desajeitado (ou insensível).
  • Ela está tão tensa - o que há de errado com ela?

É claro que esses tipos de pensamentos tornam o sexo menos agradável pois tiram da pessoa do fluxo livre da experiência e causa aflição, logo, desconectam os envolvidos e, às vezes, até causa o afastamento um do outro. Muitas vezes, quando uma pessoa começa a ouvir sua “voz interna crítica” durante o sexo, o parceiro percebe uma mudança - o sinal da pessoa parecendo distraída ou um pouco menos entusiasmada pode, então, acionar a “voz interna crítica” do parceiro: “Espere, o que mudou? O que você fez de errado?".
Muitos casais comentam que, uma vez que começam a ouvir a “voz interna crítica”, o sexo se torna mais mecânico, ao invés de uma experiência compartilhada. No entanto, mesmo quando conseguem repelir seu crítico interior durante o sexo, podem perceber vozes na cabeça após o sexo. Depois da transa, então, podem ter pensamentos como:
  • Eu não gozei como gostaria.
  • Ele parecia que não estava gostando.
  • Eu estava muito animado. Ela provavelmente achou que eu estava desesperado.
  • Eu sou muito nojento / pervertido.
  • Ela não vai querer transar comigo novamente.
  • Hoje até que foi bom, mas acho que não será assim da próxima vez.

Quaisquer que sejam as vozes específicas em relação ao sexo, a solução permanece a mesma. Para que uma pessoa se sinta livre em relação à sexualidade, tem que desafiar o seu crítico interno. Aqui estão algumas dicas para você controlar esse crítico que existe em você:
Anote todos os pensamentos negativos que você tem em relação à sua sexualidade. Podem ser pensamentos sobre o seu corpo, seu desempenho, seu parceiro ou sexo em geral. Ao fazer isso, escreva suas vozes na terceira pessoa, como se alguém as dissesse para você. Por exemplo, em vez de dizer "sou péssimo no sexo", você escreve: "Você é ruim no sexo".
Explore as raízes de suas atitudes. Muitas vezes, quando as pessoas começam a listar o que suas vozes dizem, outras começam a surgir, inundando a sua com comentários críticos. Às vezes, o ataque começa específico, mas à medida que você continua escrevendo, atitudes mais profundas e enraizadas sobre a sexualidade começam a aparecer. Por exemplo, uma mulher começou escrevendo: “O sexo é muito complicado. Isso não é para mim!”. Quando ela se aprofundou nas vozes que surgiram, ela escreveu coisas como: “Sexo é perigoso. É sujo. Eu vou ter uma doença. É nojento querer sexo. Mulheres de bem não deveriam querer sexo”. Embora ela não estivesse tão consciente dessas “vozes internas críticas” em sua vida atual, ela reconheceu alguns dos pensamentos como frases exatas que sua mãe lhe dissera sobre sexo quando ela ainda estava crescendo.
Assim como nossas “vozes internas críticas”, nossas atitudes sobre sexualidade geralmente vêm do nosso passado. Sejam elas coisas diretas que são ditas, como no caso da mulher mencionada, ou atitudes e crenças que foram adotadas, essas forças ajudam a moldar o senso da própria sexualidade. Fazer conexões de onde as atitudes negativas vêm pode ajudar a separar esses sentimentos do passado do ponto de vista real no presente.
Depois de escrever suas vozes, você deve voltar a cada ataque e responder de uma perspectiva realista e compassiva. Tente falar consigo mesmo do jeito que você falaria com um amigo. Desta vez, escreva suas respostas na primeira pessoa para identificar essas expressões como seu verdadeiro ponto de vista. Por exemplo, se você escreveu o ataque: “Você é tão desajeitado. Ninguém quer fazer sexo com você", você pode escrever a resposta, "posso me sentir desconfortável quando estou ouvindo todas essas vozes, mas na verdade sou uma pessoa confortável e carinhosa. Quando estou relaxada, gosto de como sou sexualmente”.
Será muito bom que você descubra sua própria atitude em relação ao sexo: enquanto você lida positivamente com suas críticas internas, tente ter uma atitude aberta e acolhedora em relação aos seus sentimentos reais sobre sexo, sejam eles quais forem. Esta é a hora de deixar de lado todos os "deveres" e descobrir o que você realmente gosta e deseja. Tente ter uma perspectiva curiosa, aberta e sem julgamento em relação a si mesmo. Tenha compaixão por qualquer experiência que possa ter lhe prejudicado em relação à sua sexualidade. Não permita que seu crítico interno o convença de que você deve limitar, restringir ou punir a si mesmo com base nessas experiências. Lembre-se de que sua sexualidade pertence a você. É só sua - para entender, explorar e desfrutar.
Se você estiver num relacionamento com alguém de confiança, poderá conversar com seu parceiro sobre como sua “voz interna crítica” ataca a sua sexualidade. Isso pode parecer desconfortável no início, mas ser aberto e vulnerável geralmente inspira seu parceiro a fazer o mesmo e se aproxima de você num nível mais profundo. Ao compartilhar suas ideias e o que está acontecendo em sua cabeça, você permite que seu parceiro realmente lhe conheça e entenda os aspectos de sua sexualidade. Isso pode ajudá-los a ficarem melhor quanto à sexualidade do casal. Falar abertamente dessa maneira pode beneficiar seu relacionamento. Estudos também mostram que casais que ficam à vontade para conversar sobre sexo realmente gostam mais de sexo.
Por a sua “voz interna crítica” para fora do quarto pode parecer mais fácil de dizer do que fazer, mas continuar a ter consciência dessas vozes e de como elas afetam sua sexualidade é algo que pode beneficiá-lo(a) por toda a sua vida. É algo que pode ajudá-lo(a) a se divertir mais em situações casuais e a desfrutar de intimidade e proximidade mais duradouras num relacionamento de longo prazo. Estar vivo e vibrante para a sua sexualidade é também vivenciar uma parte importante de quem você é. Uma das maneiras mais eficazes de fazer isso é continuar desafiando seu crítico interno e explorar seus sentimentos reais sobre sua sexualidade.
Espero que essas informações sejam úteis para você, esclarecendo alguns aspectos da sexualidade humana. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) que podem ser interessantes para o seu momento de vida! CLIQUE AQUI para ler sobre um assunto sério, porém pouco considerado, que é a perda do interesse sexual dos homens.
Você pode me “seguir” pelo Blog, Instagram (paulocesarpsi) ou pelo Facebook (@psicologopaulocesar) e ler gratuitamente artigos sobre a Psicologia Humana.
Compartilhe com seus amigos!
Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar
Psicoterapeuta de adolescentes, adultos e casais.
Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista.
Palestrante sobre temas ligados ao comportamento humano no ambiente social e empresarial.
Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marcação de consultas pelo tel. 11.94111-3637, pelo whatsapp 11.98199-5612 ou pelo email paulocesar@psicologopaulocesar.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário