ARTIGOS MAIS LIDOS:
Daqui em diante, você encontrará muitos outros artigos sobre psicologia. A finalidade da Psicoterapia é entender o que está ocorrendo com o cliente, para ajudá-lo a viver melhor, sem sofrimentos emocionais, afetivos ou mentais. Aqui você encontrará respostas sobre a PSICOTERAPIA - para que serve e por que todos deveriam fazê-la. Enfim, você encontrará nesses artigos,informações sobre A PSICOLOGIA DO COTIDIANO DE NOSSAS VIDAS.

PSICOTERAPEUTA HUMANISTA - O QUE É ISSO?


Muitos terapeutas explicam, via mídias sociais, sobre suas formas de trabalho, seja um terapeuta cognitivo-comportamental, psicanalista, Gestalt-terapeuta, terapeuta Junguiano, etc. Particularmente, eu me apresento como psicoterapeuta humanista e com acentuada orientação da Psicologia Analítica de Carl Jung e da Psicologia Budista, e gostaria de explicar, nesse artigo, o que vem a ser um psicólogo humanista.

Imagine que você decidiu conversar com um psicoterapeuta humanista mas não sabe quais são os valores, qualidades e habilidades específicas desse tipo de terapia ou do terapeuta! Tentarei esclarecer alguns pontos sobre essa linha que tanto adoro, na esperança de que você entenda o que acontecerá caso opte por fazer psicoterapia nessa linha. Sei que a jornada de cada cliente é única, à medida que descobrem e se conectam com o seu eu autêntico. Compreendo também que cada psicoterapeuta humanista tenha sua própria maneira de trabalhar, mas há alguns conjuntos de valores, qualidades e habilidades que tem que ser comuns a esses psicólogos e que são formas gratificantes e afirmativas para abordarmos nossas vidas. Esse modo de ser reverenciará a vida de alguém que enriquece nossos relacionamentos e aprofunda nossa conexão conosco.
O primeiro conjunto de valores fundamentais que um psicoterapeuta humanista adota incluem (1) a valorização do cliente por seu valor e dignidade inerentes além de seus comportamentos indesejáveis ​​ou ineficazes e (2) a crença de que até o cliente mais ferido tem capacidade e potencial para se curar.
No que tange a qualidades e habilidades que um psicoterapeuta humanista enfatiza, o conjunto engloba (1) ouvir e observar a experiência vivida do cliente com aceitação e curiosidade engajada; (2) desenvolver uma consideração positiva incondicional pelo cliente, expressa verbalmente e incorporada não verbalmente; (3) estar em contato com o seu eu autêntico em relação ao cliente e, conforme o caso, expressar isso ao cliente; e (4) cultivar um senso de empatia altamente desenvolvido que eles expressam ao cliente. Isso significa ser capaz de comunicar com sensibilidade sua percepção da experiência vivida do cliente de uma maneira que ele se sinta profundamente ouvido e compreendido. Isso facilita ao cliente fazer novas descobertas que podem variar de úteis a transformações da vida.
Tudo isso inclui o uso de congruência, empatia e consideração positiva incondicional, um paradigma pioneiro de Carl Rogers, a quem todos os psicólogos humanistas devem agradecer, por ele iniciar essa prática, pesquisar e defender a importância da congruência, da empatia e da consideração positiva incondicional necessária para qualquer modalidade terapêutica que promova o crescimento e a cura. Seu trabalho me inspirou quando eu era estudante e me inspira ainda hoje.
Quanto ao próximo conjunto, houve, em mim, uma considerável influência da psicologia budista. É um conjunto que engloba mais cinco valores, qualidades e habilidades essenciais de um psicoterapeuta humanista. Eles são: (1) o psicoterapeuta humanista pretende estar totalmente engajado no momento presente. Eles reconhecem quando elementos vitais do passado e do futuro do cliente estão contidos no momento presente. Eles exploram o que surge do momento presente, o que pode facilitar mudanças que variam de sutis a dramáticas; (2) o psicoterapeuta humanista acredita que seus clientes se conhecem melhor do que o terapeuta pode conhecê-los. A tarefa do psicoterapeuta não é dar respostas ao cliente, mas fornecer o recipiente para o cliente descobrir suas próprias respostas; (3) o psicoterapeuta humanista sente-se à vontade para “não saber”. Eles têm a capacidade de permanecer presentes e serem pacientes com o processo do cliente até que o mistério de “não saber’ se transforme em maior clareza; (4) o psicoterapeuta humanista é paciente em silêncio até que o terapeuta ou o cliente tenha algo relevante a dizer, atraindo assim o cliente para uma experiência imediata; e (5) o psicoterapeuta humanista confia que qualquer consciência que emerge no momento presente, dentro do cliente, do terapeuta e entre eles, levará à intervenção exata que melhor moverá o processo do cliente.

É fundamental assimilar a importância vital de estar no momento presente com o cliente e explorar o que se desenrola a partir desse momento. Posso dizer que é realmente algo apaixonante estar plenamente presente no momento, dizendo: "E agora... E agora... E agora... E agora... É tudo o que temos".
O próximo conjunto engloba quatro qualidades, atitudes e habilidades que um psicoterapeuta humanista usa no relacionamento cliente-terapeuta: (1) no contexto do relacionamento cliente-terapeuta, o psicoterapeuta humanista valoriza muito a autenticidade. Isso facilita o cliente a confiar em sua própria autenticidade. Como resultado, o cliente pode acessar e expressar com mais facilidade toda a gama de sentimentos. O cliente percebe a coragem necessária para ser autêntico e a necessidade de viver uma vida ideal; (2) o psicoterapeuta humanista valoriza a mutualidade do relacionamento cliente-terapeuta. Existe respeito e carinho mútuos entre o terapeuta e o cliente. O relacionamento não é hierárquico. O psicoterapeuta humanista não tem autoridade sobre como o cliente deve viver sua vida. O cliente é o timoneiro. A experiência do psicoterapeuta humanista consiste em fornecer o contêiner e facilitar o cliente a descobrir como ele quer viver sua vida. Há um nível de igualdade que é reconhecido porque a realidade é terapeuta e cliente são seres humanos navegando em sua própria vida. Há uma apreciação da reciprocidade de necessidades que estão sendo atendidas, embora se reconheça que essas necessidades são diferentes; (3) o psicoterapeuta humanista usa o relacionamento entre o cliente e o terapeuta como um veículo poderoso para explorar diretamente os problemas de relacionamento do cliente. Ao explorar o autêntico relacionamento cliente-terapeuta, há uma consciência mais profunda de como o cliente se relaciona com os outros em sua vida; e (4) um psicoterapeuta humanista valoriza muito o desenvolvimento de um relacionamento Eu-Você entre o cliente e o terapeuta. O psicoterapeuta humanista reconhece a sacralidade do relacionamento e aborda conscientemente o que pode estar impedindo o desenvolvimento da relação Eu-Você.

Quero realmente enfatizar a importância do relacionamento cliente-terapeuta pois esses são "companheiros de viagem" na jornada da vida. Esse relacionamento é um espelho mútuo de como o cliente e o terapeuta se relacionam em suas vidas. Torna-se um veículo para o crescimento pessoal.

Evidentemente é fácil perceber a minha paixão pela perspectiva humanista e existencial; essa perspectiva, na psicoterapia, se concentra na exploração da existência da pessoa com o objetivo de esclarecer, definir, criar e recriar o que o cliente quer que sua vida seja e se torne.
Creio que esta linha de psicoterapia explora, de fato e bem de perto, o que significa ser humano. Dentre as capacidades humanas, há a de escolher, agir, dar sentido, relacionar-se e estar sozinho, ser limitado, estar em um corpo e estar consciente. Durante a psicoterapia humanista, ocorrem simultaneamente dois diálogos: um com o eu interno e outro entre a pessoa e o mundo externo. Assim, o paciente se conhece e aprende a viver na realidade objetiva. Futuramente escreverei um artigo falando um pouco mais da psicoterapia humanista, mas quero reforçar que neste tipo de terapia, o psicólogo não diz como o cliente deve viver sua vida. Em vez disso, ele apoia o processo de busca interna e o diálogo de conexão. O cliente descobre suas próprias correções e desenvolve as habilidades para continuar fazendo isso, mesmo depois do encerramento dos encontros formais no cenário terapêutico.

Espero que tenha gostado desse artigo. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) - acesse-os! CLIQUE AQUI  para ler o artigo “Ame-se e Aceite a Si Mesmo para Ser Amado”.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos e casais. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista.
Palestrante sobre temas ligados ao comportamento humano no ambiente social e empresarial.
Consultório próximo à estação de metrô Vila Mariana. Atendimento de segunda-feira aos sábados.
Marcação de consultas pelo tel. 11.94111-3637 ou pelo Whatzapp 11.98199-5612.

Nenhum comentário:

Postar um comentário