ARTIGOS MAIS LIDOS:
Daqui em diante, você encontrará muitos outros artigos sobre psicologia. A finalidade da Psicoterapia é entender o que está ocorrendo com o cliente, para ajudá-lo a viver melhor, sem sofrimentos emocionais, afetivos ou mentais. Aqui você encontrará respostas sobre a PSICOTERAPIA - para que serve e por que todos deveriam fazê-la. Enfim, você encontrará nesses artigos,informações sobre A PSICOLOGIA DO COTIDIANO DE NOSSAS VIDAS.

GORDOFOBIA

Você, certamente, não gosta quando alguém lhe trata com preconceito ou qualquer tipo de discriminação, não é verdade? Saiba, então, que uma pessoa mais gordinha sofre muito quando se sente discriminada e tratada com preconceito. A “gordofobia” é algo que se expande neuroticamente e que só aumenta o problema da obesidade. Mas veja, os risos e gargalhadas são indescritíveis quando uma piada sobre gordos é contada, não porque se trata de uma reação a algo genuinamente engraçado ou interessante. Na verdade, o público não ri porque a piada era boa: eles riem porque odeiam pessoas gordas e, pior ainda, porque acreditam que pessoas gordas merecem tanto desprezo.

Uau, é assim tão simples? O mundo está realmente abarrotado de inimigos que não têm sentimentos ou obtêm prazer ao abater os outros? Se demorarmos um minuto para analisá-lo, descobriremos rapidamente que não é tão simples assim. O que está acontecendo quando os inimigos riem? Eles estão dando um tempo mental - quase como liberar uma válvula com muita pressão - de se julgarem. A discriminação relativa a pessoas com sobrepeso inclui considerá-las preguiçosas, indisciplinadas e pouco inteligentes, uma consideração completamente destituída de sentido! Mais da metade das pessoas não vê mal em fazer comentários negativos sobre o peso de uma pessoa. Mas tudo se trata de uma espécie de jogo psicológico com uma tentativa das pessoas em livrarem-se do que veem nos outros.
Na psicoterapia, meus clientes geralmente ficam chocados ao descobrir, ao longo da terapia, que seus julgamentos sobre os outros refletem simultaneamente o grau em que eles também se julgam. Todos os dias, eu me pego dizendo: "Você é muito duro consigo mesmo!" Parece haver um autojulgamento ilimitado por aí no universo, e é venenoso porque esses “autojulgadores” são duas vezes melhores em julgar (até odiando) outros por qualquer número de razões (gordo demais, gay demais, étnico demais, etc.). Quando se trata de pessoas gordas, são alvos fáceis. Sua “falha” (ou problema) está lá fora, para o mundo ver e julgar. Tenho uma enorme empatia por quem está acima do peso, porque a situação é difícil para eles tanto física como emocionalmente, logo, uma ameaça dupla real. As “falhas” da maioria das pessoas (infidelidade, mau humor, etc.) não são tão aparentes, então você precisa conhecer a pessoa melhor para realmente ver suas falhas. Mas com pessoas gordas não há como se esconder. Nessa perspectiva, é realmente péssimo ficar gordo, não é? Mas a obesidade é a última fronteira em preconceitos, ainda e por pouco tempo, toleráveis.

Você sabia que mais de 70% das pessoas obesas relataram ter sido ridicularizadas sobre seu peso por um membro da família? Ou que mais de 50% dos obesos acreditam que foram discriminados ao procurar emprego ou promoção? E ainda que crianças de até 4 anos relutam em fazer amizade com uma criança com sobrepeso? Todas essas manifestações de preconceito não apenas prejudicam emocional e psicologicamente o indivíduo gordo - aumentando o risco de depressão, insatisfação corporal e baixa autoestima -, como também contribuem a existência do preconceito da obesidade em si.

Argumentando que "é para seu próprio bem", algumas pessoas usam a culpa e a vergonha na tentativa de motivar os obesos a perder peso. Isso não funciona! Se assim fosse, à medida que o estigma aumentasse, a obesidade diminuiria. Em vez disso, à medida que as taxas de obesidade aumentaram, a discriminação também aumentou em muito na última década. Em vez de motivar as pessoas a perder peso, a discriminação de peso aumenta o risco de obesidade em até 2,5 vezes. Isso, por sua vez, torna os indivíduos mais vulneráveis ​​à intolerância, perpetuando um ciclo de ganho de peso.

O viés de peso nos cuidados de saúde é particularmente problemático porque desencoraja as pessoas com alto risco de problemas de saúde a buscarem ou receberem cuidados médicos, bem como a discutirem questões de saúde com seu médico. Depois de visitarem os profissionais de saúde, os pacientes obesos relatam sentir-se desrespeitados, não levados a sério e ter todos os seus problemas médicos atribuídos ao seu peso.

A magreza sugere ser um fator para o sucesso, o que é, na verdade, um grande equívoco. Mas por que as pessoas com sobrepeso são julgadas com tanta severidade? Nossa sociedade vê a magreza como um símbolo de trabalho duro, autodisciplina e força de vontade, valores que passamos a reverenciar principalmente no mundo ocidental. Nesses termos, presume-se que as pessoas com excesso de peso não possuam essas virtudes. A mídia parece contribuir para o problema. Nas histórias sobre obesidade, os meios de comunicação, inclusive na Web, usam imagens negativas de pessoas obesas que vestem roupas mal ajustadas ou comem fast-food ou pior, como partes do corpo desumanizadas e isoladas. Assim é que existem conceitos errôneos generalizados que minimizam as complexidades da obesidade e isso é difícil de se reverter. Esses equívocos florescem apesar das pesquisas que documentam as consequências negativas do estigma do peso e o fato de que muitas causas da obesidade estão fora do controle do indivíduo - por exemplo: genética, status econômico, educação e a maneira como os pais conversam com seus filhos sobre peso têm influência na obesidade. A epidemia de obesidade também pode ser explicada, pelo menos em parte, pela resposta das pessoas às mudanças em seu ambiente - reduções no trabalho manual, maior densidade de restaurantes de fast food e acessibilidade de alimentos baratos, publicidade pesada de alimentos processados ​​pela indústria de alimentos e preocupações com segurança que tornam os bairros menos acessíveis são alguns exemplos de influencias ambientais.

Se as pessoas estão tão incomodadas com o estigma de serem obesas, por que elas simplesmente não perdem peso? Como qualquer pessoa com histórico de dieta sabe, é extremamente difícil perder peso e ainda mais difícil mantê-lo. O estigma não motiva as pessoas a fazer escolhas mais saudáveis ​​e representa uma séria ameaça à saúde física e psicológica. Então o que nós podemos fazer? A abordagem oposta - baseada na aceitação - é mais eficaz. Em vez de focar apenas na responsabilidade pessoal, vamos abordar a questão maior e trabalhar na mudança do ambiente de promoção da obesidade. Em vez de dar palestras às pessoas sobre exercícios e perda de peso, vamos enfatizar abordagens mais eficazes, como a Saúde em Todos os Tamanhos.

Quanto mais nossa sociedade aprender a sentir empatia pelos outros, menos julgamento teremos que espalhar entre nós. Você sabe que o problema é sério - nesse caso, odiar ou discriminar pessoas gordas - quando uma pessoa odeia outra sem nunca ter se encontrado! Mas é exatamente isso que acontece quando muitos homens e mulheres encontram alguém obeso: julgamentos rápidos são feitos, e a pessoa gorda geralmente é sumariamente descartada como preguiçosa ou fraca. Culpar a vítima liberta todos os outros de responsabilidade, mas com uma epidemia tão complexa quanto a obesidade, todos temos um papel a desempenhar na prevenção e tratamento - e isso inclui não discriminar as pessoas com base no seu peso ou em qualquer outro fator.

Se você acha que tem opiniões negativas sobre pessoas gordas, ou talvez outro grupo de pessoas que você decidiu que não gosta particularmente, na próxima vez que tais pensamentos ou sentimentos surgirem, reserve um momento e dê um passo atrás. A verdade é simples: se você é duro com os outros, também será duro consigo mesmo de alguma outra maneira. Então, aqui está minha ideia maluca: não seja crítico consigo mesmo ou com os outros. E, por favor, deixe as pessoas gordas em paz! Finalmente, você pode dar um passo à frente se for alguém que faz um comentário desagradável sobre alguém com excesso de peso: tome uma posição e defenda essa pessoa. De pouco a pouco todos podem fazer algo para tornar o mundo um lugar mais gentil e compreensivo.

Espero que tenha gostado desse artigo. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) - acesse-os! CLIQUE AQUI para ler sobre como deixar de ser pessimista.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos e casais. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Palestrante sobre temas ligados ao comportamento humano no ambiente social e empresarial.
Consultório próximo à estação de metrô Vila Mariana. Atendimento de segunda-feira aos sábados.
Marcação de consultas pelo tel. 11.94111-3637 ou pelo Whatzapp 11.98199-5612.


Nenhum comentário:

Postar um comentário