A FINALIDADE DA PSICOTERAPIA É ENTENDER O QUE ESTÁ OCORRENDO COM O PACIENTE, PARA AJUDÁ-LO A VIVER MELHOR, SEM SOFRIMENTOS EMOCIONAIS, AFETIVOS OU MENTAIS. NESTE BLOG, HÁ DIVERSOS ARTIGOS SOBRE A PSICOTERAPIA - PARA QUE SERVE E POR QUE TODOS DEVERIAM FAZÊ-LA. NESSES ARTIGOS, VOCÊ VAI LER SOBRE A PSICOLOGIA DO COTIDIANO DE NOSSAS VIDAS.

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

ADOLESCENTES E PSICOTERAPIA

Sinal dos tempos: está havendo, por parte dos adolescentes, uma maior procura por psicoterapia pois almejam o autoconhecimento e a aquisição de conhecimentos sobre a maneira de pensar, sentir, agir e reagir. Nesse artigo, compartilharei alguns aspectos valiosos de minha experiência com adolescentes, esse grupo de pessoas especiais e surpreendentes, e que expressam comportamentos, pensamentos e emoções que variam na escala do “nem são crianças – nem são adultos”.

Os pais querem ver seus filhos bem ajustados, felizes, bem sucedidos e socializados, mas essa é uma condição difícil para os adolescentes pois também estão lidando com a pressão dos colegas, alterações hormonais, expectativas acadêmicas, ideais familiares e o próprio processo de autodescoberta – tudo ao mesmo tempo!!!

A boa notícia é que os adolescentes atuais não mostram preconceito com relação à psicoterapia. A maioria concorda que fazer terapia não significa que a pessoa é louca! Pelo menos 1 em cada 5 adolescentes (20%) têm indicações de psicoterapia, e isso é bem compreensível. Por exemplo, se você quebrar sua perna, você vai a um ortopedista. Se você tem uma dor de ouvido, você vai ao otorrinolaringologista. Se você está deprimido, ansioso ou precisar de alguém para conversar, você vai a um psicoterapeuta cuidar de sua saúde mental.

A saúde mental refere-se, simplificadamente, a como a pessoa age, sente e pensa em diferentes situações. Pode-se dizer que os adolescentes têm problemas de saúde mental quando suas ações, sentimentos ou pensamentos criam regularmente obstáculos em suas vidas. Todo mundo tem momentos em que pensam ou sentem algo que não gostam. Outras vezes, as pessoas fazem coisas que outros não gostam. Ambas as situações são normais, mas quando os indesejados pensamentos, sentimentos ou ações frequentemente criam problemas, há a necessidade da avaliação de um especialista. E quais são, de modo geral, os problemas mais frequentes que os adolescentes apresentam?

As mais frequentes dificuldades dos adolescentes podem ter diversas causas, tais como:
  • Insegurança pessoal: Os adolescentes estão numa fase em que a autoestima pode sofrer alguns “bombardeios”, deixando-os inseguros ou agressivos.
  •  Violência: Quando algo ruim acontece com uma pessoa, ou vêem algo de ruim acontecer, eles podem desenvolver uma dificuldade de comportamento, sentimento ou pensamento ligada ao tema.
  • Sexualidade: Esse tema pode ser considerado o mais frequente. São muitas dúvidas sobre sexualidade que afetam o bem estar e a segurança pessoal.
  • Estresse e ansiedade: Todo mundo fica estressado. Alguns estresses podem ser até ser úteis (como motivar você para estudar para a prova). Mas outros podem causar problemas.
  • Perder um relacionamento: Se alguém próximo a você morre, afasta-se ou não quer mais ser amigo(a) / namorado(a), é normal sentir-se triste ou solitário(a). Geralmente, esses sentimentos melhoram ao longo do tempo, mas também podem se agrava ou afetar outras partes de sua vida.
  • Condições médicas: Algumas condições médicas podem fazer você pensar, sentir ou agir estranhamente.
  • Problemas de humor: Nesse grupo incluem-se a depressão, tristeza, irritabilidade e perda de interesse ou prazer por várias atividades.
  •  Transtornos alimentares: Bulimia e anorexia, a preocupação com a imagem corporal quando exageradas merecem atenção especial.
  • Conduta: Comportamentos repetitivos de contrariedade a normas e padrões sociais, conduta agressiva e desafiadora merecem uma reflexão e eventual mudança.

Eu trabalho com adolescentes a partir dos 15 anos e percebo que eles, inicialmente, se sentem desconfortáveis ao falar dos seus problemas. É absolutamente normal sentir uma estranheza ao falar sobre coisas sensíveis e pessoais. À medida em que se acostumam com o psicoterapeuta, seguem de modo mais confiante e relatam facilmente suas necessidades e desejos. Adolescentes querem falar de si e gostam de ser o centro das atenções. O terapeuta tem que dar a condição para que o jovem discuta sobre sua vida. Isso pode, às vezes, não incluir familiares ou problemas escolares; por outro lado, seus amigos, seus sonhos e objetivos, seus sentimentos e suas frustrações são, com certeza, os temas favoritos de discussão.

Adolescentes facilmente se envergonham. Eles estão numa idade em que a autoestima e confiança está ainda se desenvolvendo. Quaisquer dúvidas ou atividades que os coloquem em ameaça produzirão posturas defensivas e progresso difícil na psicoterapia. Eles precisam se sentir respeitados e valorizados para que o processo funcione. A confidencialidade da terapia, por exemplo, é essencial para o sucesso do tratamento, logo, é necessário definir claramente o que é da competência dos pais, sendo necessário haver fidelidade entre o adolescente e seu terapeuta.

Minha abordagem é a Psicoterapia Individual, onde o adolescente se encontra sozinho comigo para falar sobre seus problemas. Cada sessão dura cerca de 50 minutos e, certamente, poderei pedir-lhe que identifique seus sentimentos e seus problemas. Às vezes, recomendo um "dever de casa" para ajudá-lo a lidar com os problemas. Tudo que é dito na terapia é confidencial, a menos que eu tenha fundamentos para acreditar que o jovem pode se machucar ou a alguém.

Dicas finais:
  • Os adolescentes não podem ser forçados a fazerem psicoterapia, seja qual for o motivo.
  • O terapeuta não vai resolver os problemas do adolescente, mas dará o suporte para que ele mesmo faça isso. A terapia é útil se você trabalhar duro com o terapeuta. O terapeuta vai apoiá-lo, e sugerir formas úteis para trabalhar em problemas. Mas se você não trabalhar para resolver o problema, a terapia não vai funcionar.
  • Não aceite, em hipótese alguma, contatos de ordem sexual. Se houver alguma tentativa, diga “não” e conte a seus pais. Qualquer tipo de contato sexual na psicoterapia é inadequada.
Use computador para ver todo o conteúdo do blog.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marque uma consulta pelos fones 11.5081-6202 e 94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br  

Nenhum comentário:

Postar um comentário