ARTIGOS MAIS LIDOS:
Daqui em diante, você encontrará muitos outros artigos sobre psicologia. A finalidade da Psicoterapia é entender o que está ocorrendo com o cliente, para ajudá-lo a viver melhor, sem sofrimentos emocionais, afetivos ou mentais. Aqui você encontrará respostas sobre a PSICOTERAPIA - para que serve e por que todos deveriam fazê-la. Enfim, você encontrará nesses artigos,informações sobre A PSICOLOGIA DO COTIDIANO DE NOSSAS VIDAS.

FORMAS DE SUPERAR O TRAUMA NA INFÂNCIA E PARAR A AUTOSSABOTAGEM

Você vai ver a luz na escuridão / Você verá algum nisso / E quando você fizer sua jornada secreta / Você vai
encontrar esse amor que lhe faz falta - The Police (Banda inglesa de rock)

Não é fácil lidar com o trauma ocorridos em fases de desenvolvimento. Sei disso pois ouço as histórias sofridas de muitos pacientes me contam com muita sinceridade. Como muita gente luta para superar os efeitos negativos de experiência como essas, gostaria de oferecer algumas reflexões que pode ajudar a lidar com o assunto de maneira proativa. Isso não substitui um tratamento psicoterapêutico, mas pode ser que essas idéias tenham uma boa utilidade para muitos que passaram por isso.

Saiba com que você está lidando. Ao fazer um plano para resolver qualquer problema complexo, é necessário saber com o que estamos lidando. O trauma infantil ou de adolescência não é exceção. No entanto, como uma das formas mais comuns de responder à angústia é a evitação, o trauma do desenvolvimento pode se manifestar de muitas maneiras que não estão obviamente relacionadas com experiências anteriores. Na minha experiência, muitas pessoas só reconhecem a origem traumática de seus problemas após anos de sofrimento. É crucial observar se alguém se identificou com o próprio trauma e considerar como a vítima foi influenciada pela percepção de si mesmo, dos outros e da realidade, a fim de tomar decisões sobre ações reparadoras.

Não é incomum ter sido diagnosticado com outros transtornos de saúde mental, como transtorno bipolar e vários transtornos de personalidade, antes que o componente de desenvolvimento seja reconhecido. O próprio paciente esconde informações sobre o trauma por muito tempo, e os esconde para si e para os outros. Os sintomas pós-traumáticos e dissociativos passam despercebidos, e a ação dessas questões nas relações pessoais, no cuidado consigo mesmo e na vida profissional é atribuída a outros fatores - muitas vezes reforçando a “autoculpabilização”, os padrões de autodestruição e a tendência a pressionar outros para longe. Por quê? Porque muitas vezes há no ar, um clima de "não pergunte, não diga nada" e assim manter o assunto trauma na sombra. Isso é tipicamente institucionalizado e é sem dúvida um componente central de nossa cultura - ignorar e minimizar o trauma. Isso ajuda a manter o status quo individual, preservando a estabilidade com um elevado custo para a saúde psicológica.

Como acima citado, mesmo em ambientes de avaliação clínica, é muito comum que os pacientes omitam experiências traumáticas. Muitas vezes, o foco concentra-se em um problema como depressão, ansiedade, dependência, transtornos alimentares e assim por diante e, com frequência, tentar abordar os fatores subjacentes pode levar o paciente à grande resistência individual (e familiar). Não abordar os problemas subjacentes cria um ciclo vicioso, frequentemente impulsionado por sentimentos como vergonha e dor psicológica, para criar um não-reconhecimento crônico. Os pacientes frequentemente repetem um padrão básico de sua família, com a intenção de encobrir o abuso e a negligência e fingir que estava tudo bem.

Coloque o trauma em perspectiva. Isso pode parecer um insulto para alguém que viveu experiências terríveis!!! É difícil reconhecer a presença de traumas nas fases de desenvolvimento, é um ato delicado de equilíbrio que leva tempo. Mas ser super-identificado com o trauma pode reforçar uma identidade de vitimização, levando-o a viver apenas como uma pessoa traumatizada num mundo traumatizante. Da mesma forma, com o trauma não resolvido, estamos mais propensos a perpetrar contra os outros sem saber. Podemos nos tornar prestadores de cuidados compulsivos, às vezes até exagerando com os necessitados, em nosso próprio detrimento. Colocar as experiências traumáticas em perspectiva - trabalhar para visualizar um contexto que permita entender o trauma no alcance mais amplo da vida, ao mesmo tempo em que constrói novas experiências saudáveis ​​e pessoais - pode levar a um maior empoderamento e uma mudança para um sentido não traumático do próprio Eu.

Esteja ciente no momento. A desregulação emocional é uma característica comum do trauma não resolvido. Muitas vezes há adormecimento e dissociação, bem como fixação e preocupação, ou alguma mistura de ambos os extremos. Como a experiência traumática é muitas vezes dirigida pela evitação das memórias e das emoções, muitas pessoas com esse tipo de trauma não resolvido ou em resolução lutam para permanecer presentes consigo mesmos e com os outros. Essa capacidade básica de sentar-se e nomear experiências difíceis não se desenvolveu adequadamente devido ao trauma inicial, mas pode ser cultivada como parte da recuperação e do crescimento pós-traumático. A meditação pode ser útil para isso - meditações baseadas na compaixão e práticas de bondade amorosa, próprias de tradições orientais como o budismo tibetano e o hinduísmo, podem ser úteis, pois se destinam a corrigir diretamente as consequências fundamentais do trauma de desenvolvimento. É importante ter autoconsciência em pequenas doses, aumentando a proficiência e digerindo gradualmente as experiências que surgirem.

Aprenda a regular as emoções. Por causa dos desafios do controle emocional que o trauma não resolvido apresenta, é crucial aprender a lidar de maneira diferente. Isso está de mãos dadas com a consciência, já que ter ferramentas eficazes de enfrentamento permite que se reconheça e responda a experiências desafiadoras em si mesmo, sem tanto medo de piorar as coisas como resultado. Em vez de ficar preso em ciclos viciosos de reconhecimento fracassado e sofrimento adicional, concentrar-se no enfrentamento e na conscientização pode levar a ciclos virtuosos de desenvolvimento de maior capacidade e de avançar com problemas que antes eram intratáveis. Normalmente, é um processo lento, especialmente no início, mas mudanças positivas se acumulam com o tempo e se tornam mais estabelecidas, o que provavelmente levará a mudanças estáveis ​​e duradouras. A psicoterapia é uma abordagem estruturada apropriada para esses casos.

Reescreva sua história. Como os sistemas cerebrais baseados no medo dominam o trauma, a própria história de si mesmo é dominada por percepções geralmente unilaterais e negativas de si mesmo e dos outros, bem como da expectativa de um mundo inseguro e indiferente, ou mesmo malévolo. Esta é uma história de autoproteção, mas infelizmente tem um preço muito alto pois faz a pessoa ficar longe de novas experiências, o que pode ser positivo e útil por causa de medos exagerados. É comum interpretar as intenções e os eventos dos outros em sua vida negativamente para gerenciar expectativas e tentar evitar a repetição de lesões e decepções. A desconfiança é um tema dominante e molda as decisões. Faz sentido - sobreviver a uma experiência traumática de desenvolvimento muitas vezes exige tais medidas, mas fora de contexto na idade adulta, como uma visão única da vida, é muito rígido e muitas vezes leva à repetição, que é dolorosa, mas confirma a crença em um mundo traumatizante.

Reescrever a história, colocar o trauma no contexto, mostrou ser um método eficaz para sair do modo de sobrevivência e mudar nossa abordagem para nós mesmos, para os outros e para a vida em geral. É mais fácil dizer do que fazer, pois isso envolve mais assuntos desafiadores. A psicoterapia é uma abordagem estruturada que visa recontextualizar o trauma e ajuda a sintonizar o cérebro de modo que os sistemas baseados no medo exerçam a quantidade certa de controle - nem muito nem pouco.
É fundamental praticar novos padrões na vida real, como parte da reescrita de nossas histórias. Procurar experiências positivas ao longo do tempo conduz à construção de um histórico de expectativas mais otimistas e afasta a crença de que a vida é indiscutivelmente ruim. Mesmo a simples ideia de fazer essas mudanças pode parecer perturbadora, desafiando adaptações básicas ao sofrimento crônico; assim, essa sugestão pode ser recebida com confusão, ansiedade e até hostilidade. 

Além disso, muitos condutores de experiências traumáticas são inconscientes, e os esforços para fazer melhores escolhas podem levar a decepções e sentimentos de desamparo quando não dão certo. É importante estar ciente e gerenciar as emoções, a fim de entender que a “desaprendizagem” de padrões antigos e a reaprendizagem de novos padrões terá altos e baixos antes de se tornarem mais consistentes e confiáveis. 

Seja bem cuidadoso consigo mesmo. Estamos falando de um trauma que sempre gera um senso negativo de si mesmo. Podemos nos sentir indignos de amor e cuidado, podemos nos auto-culpar demais e podemos acreditar que qualquer atenção a nós mesmos é egoismo. Além disso, cuidar de si pode ser simplesmente desconhecido, um conjunto de habilidades que nunca se desenvolveu totalmente. Estou referindo-me a cuidar de si mesmo física, emocional, psicológica e espiritualmente. Adotar o hábito de cuidar-se leva tempo porém causa uma sensação de maior eficácia, cria resiliência e reduz os impactos negativos à saúde mental e física.

Trabalhe com os outros. Como o trauma muitas vezes divide as pessoas, especialmente nas famílias, levando à fragmentação e à mentalidade de "cada um por si", é importante reconhecer que trabalhar sozinho na recuperação pode não ser eficiente e até mesmo pode estagnar em algum momento. Trabalhar com outras pessoas pode ser informal ou envolver grupos de pessoas em diferentes contextos, desde grupos de meditação a grupos de recuperação a contextos clínicos. Ser capaz de pedir ajuda é uma parte importante desse cuidado, e pode ser difícil de fazer, especialmente quando o trauma veio de pessoas de confiança. Ter um grupo de apoio pode ser de grande valia, especialmente quando as coisas estão ruins.

Seja paciente. O crescimento leva tempo. Há períodos em que as coisas podem melhorar e outros em que tudo parece muito sombrio e terrível. O objetivo geral é estabelecer um padrão diferente e ser persistente para manter o processo, em vez de se concentrar nos sucessos e fracassos de curto prazo. Paciência, compaixão e curiosidade são também objetivos de longo prazo do processo, bons para cultivar com a compreensão de que o esforço contínuo vale a pena, em vez de ter uma expectativa de desenvolvê-los da noite para o dia. Nossa atitude básica sobre a própria mudança pode mudar, proporcionando alívio e espaço para o desenvolvimento em novas direções.

Espero que o artigo lhe seja útil. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) que podem ser interessantes para o seu momento de vida!
Você pode me “seguir” pelo Blog, Instagram (paulocesarpsi) ou pelo Facebook (@psicologopaulocesar) e ler gratuitamente artigos sobre a Psicologia Humana. 

Compartilhe com seus amigos!

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar
Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes.
Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista.
Palestrante sobre temas ligados ao comportamento humano no ambiente social e empresarial.
Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marcação de consultas: Tel. 11.94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário