ARTIGOS MAIS LIDOS:
Daqui em diante, você encontrará muitos outros artigos sobre psicologia. A finalidade da Psicoterapia é entender o que está ocorrendo com o cliente, para ajudá-lo a viver melhor, sem sofrimentos emocionais, afetivos ou mentais. Aqui você encontrará respostas sobre a PSICOTERAPIA - para que serve e por que todos deveriam fazê-la. Enfim, você encontrará nesses artigos,informações sobre A PSICOLOGIA DO COTIDIANO DE NOSSAS VIDAS.

VOCÊ NÃO FAZ PSICOTERAPIA? VOU LHE EXPLICAR PORQUE DEVERIA FAZER

Algumas pessoas cometem um equívoco absurdo ao pensarem que psicoterapia é para as pessoas inseguras, medrosas ou covardes. Pois eu lhe digo que nada é tão distante da verdade do que esse pensamento. Pois saiba que as pessoas de sucesso não apenas fazem terapia, elas simplesmente adoram fazer! Elas vêem a psicoterapia como uma ferramenta que cria sucesso. E não é somente algo que as pessoas inteligentes fazem, é uma prática que a maioria das pessoas deveria tentar em algum momento de suas vidas.
A razão é simples: muitas pessoas cresceram com a impressão de que coisas pessoais são um segredo e que não deveriam ser discutidas – melhor se fossem varridas para debaixo do tapete. Esta é talvez a pior coisa que você pode fazer por si mesmo. Esconder suas emoções e não trabalhar os seus problemas psicológicos - especialmente a dor ou eventuais abusos traumáticos do passado - pode acarretar numa série de problemas. Se você precisa de uma razão baseada em números para lhe convencer, a depressão, por si só, tem um peso enorme entre as doenças, sendo atualmente a principal causa de incapacidade em todo o mundo, responsável por bilhões de reais por ano em trabalho perdido.
Há vários benefícios ao se submeter a um processo psicoterapêutico. A beleza da terapia – a cura pela fala - é que ela aborda não apenas os sintomas, mas também as causas de seus problemas. Os antidepressivos, embora essenciais para algumas pessoas, não chegam exatamente à fonte subjacente. E se você não conhecer a causa da dor, estará essencialmente acorrentado ao passado - a psicoterapia alcança a raiz do problema!
Um formidável benefício da terapia é que seus efeitos são duradouros. Isso porque você não trabalha apenas com as coisas que emergem no processo, mas também desenvolve ferramentas para ajudá-lo a lidar com diversas situações no futuras. Os ganhos positivos continuam e crescem ao longo do tempo, como se algumas etapas fossem consolidadas após a interrupção da terapia. É como se a pessoa passasse a usar uma espécie de lente reflexiva para pensar, falar e expressar sentimentos sobre a vida interior depois que termina a psicoterapia. Todo o processo de conversar com o psicólogo é internalizado de modo que um tipo de “autoterapia” começa onde a psicoterapia real termina. Embora a medicação possa ser essencial para alguns, ela corre o risco de recaída depois que ela é descontinuada. O aspecto "buscar a causa do problema" típico da psicoterapia é um excelente motivo pelo qual os antidepressivos e a terapia em conjunto são considerados mais eficazes.
O trauma psicológico, ou um estado de melancolia ou abatimento geral, pode desencadear diversos sintomas físicos - e a depressão e a ansiedade são bem conhecidas por terem efeitos físicos significativos e, às vezes, debilitantes. Ir à psicoterapia ajuda para essas complicações desapareçam. Muitos estudos mostram que um grande número de doenças físicas são amenizadas quando o doente faz psicoterapia. Quando as pessoas não expressam sentimentos, mas as engolem e as mantém enterradas e fora da consciência, o corpo da pessoa reage! Ele age como um termômetro que sinaliza o perigo! Algo está errado e precisa de atenção. Somatizar através de dores de estômago, dores de cabeça, problemas de sono e úlceras são meramente algumas das maneiras que nosso corpo reage ao estresse e à dor psíquica.
As emoções reprimidas costumam voltar e nos assombrar mais tarde. Isso quer dizer que uma das desvantagens mais significativas de não falar sobre as coisas é que sentimentos e traumas não expressos podem acumular-se e explodir mais tarde. Muitas pessoas evitam falar sobre seus sentimentos sobre uma série de coisas, mas reprimir ou abrandar os sentimentos não faz com que eles desapareçam. Algum motivo pode ocorrer que causa uma explosão, inclusive frente a comentários simples e despretensiosos. Mesmo que você não tenha uma explosão dessas ou um verdadeiro colapso mais tarde, o fato de não processar eventos e emoções cria padrões de pensamento negativos que irão influenciar diferentes áreas de sua vida - seus relacionamentos com seu cônjuge, pais, filhos, amigos, colegas de trabalho e até consigo próprio. Então, entende-los e resolvê-los pode mudar a forma como você lida com essas múltiplas experiências.
Fazendo terapia, aqueles truques para controlar o seu “passivo-agressivo” vão desaparecer, ou seja, quando você sentir raiva (antiga ou recente), ela será processada de tal maneira que não precisará mais ser um “passivo-agressivo”. Em grande parte das pessoas, os sentimentos de raiva são frequentemente expressos de maneira passiva e agressiva, em vez de uma maneira mais direta e menos agressiva. Alguém que se sente menosprezado, por exemplo, pode fazer um comentário sarcástico em resposta, ou não comparecer no horário combinado, como se esquecendo do compromisso. Então, livre-se dessa forma de se expressar passivo-agressivamente - seus entes queridos lhe agradecerão.
Um benefício incrível da terapia é que ela não apenas lhe ajuda a se entender melhor, como também ajuda a entender as outras pessoas. Quando mantemos pensamentos negativos sem processá-los, eles se tornam arraigados para que possamos ver o mundo através desse filtro - e assim fazemos muitas suposições que podem ou não ser verdadeiras. No meu trabalho com pessoas em psicoterapia, elas passam a perceber como muitas vezes criam hipóteses sobre o que uma outra pessoa pretendia. Daí, quando elas checam a realidade perguntando aos amigos o que eles estavam pensando ao dizerem alguma coisa, essas pessoas (clientes da psicoterapia) ficam surpresos ao ouvir que eles eram coisas totalmente diferentes do que supunham. Sem a desordem de suas próprias suposições (muitas vezes equivocadas), é muito mais fácil entender as intenções e motivações dos outros.
Você sabia que a psicoterapia vai lhe ajudar a lidar com futuras situações difíceis? Você provavelmente aceita o fato de que grandes e pequenos problemas surgem de tempos em tempos, logo saber lidar com eles de maneira saudável é uma habilidade essencial. Os conflitos são uma parte da vida cotidiana e é útil ter consciência dos sentimentos em torno do conflito. Se, por exemplo, você está zangado com seu chefe, que está dando mais trabalho exatamente quando você está se preparando para ir embora, é bem provável que ficará ressentido e em conflito com ele. Ao refletir sobre o que está acontecendo “do lado de fora” (as demandas do seu chefe) e “do lado de dentro” (sua crescente raiva, irritação e medo de perder o emprego se disser não), você estará numa posição melhor para resolver a situação. Conversar com as pessoas e refletir sobre os sentimentos e suas causas permite uma maior compreensão de si mesmo. Isso posto, é mais fácil pensar em maneiras de reagir de maneira mais proativa. Aprender a não ser engolido por eventos, mas sim saber a melhor estratégia para lidar com eles, é a grande solução!
Você já notou como aumentar um problema em sua cabeça sempre o leva a lugar nenhum? É muito fácil sentir-se ofuscado por um problema quando, na verdade, ele é apenas uma bolha sem forma na sua cabeça - mas falar sobre isso dá início, meio e fim. E isso lhe ajuda a pensar melhor sobre o assunto. De certa forma, ao pensar no paciente quando está no processo de engajamento na psicoterapia, faço uma analogia com a escrita: quanto mais ele escreve, mais ele sabe o que está tentando dizer, ou seja, quanto mais ele fala do problema na psicoterapia, mais consciente se torna do que está fazendo e do que está sentindo - ansioso, triste, irritado ou frustrado. Assim, fica mais fácil decidir como administrar esses sentimentos ou como agir para aliviá-los. Definitivamente, falar de um problema é sempre útil: ele se torna mais claro, mais lógico e, portanto, mais gerenciável.
Você não está sozinho: ir a um psicólogo pode ser um grande alívio, já que você sabe que está agindo contra o que o aflige. Também é reconfortante saber que você tem um suporte especializado ao qual você pode ir uma vez por semana. E, saber que há muitas outras pessoas com problemas semelhantes ao seu - digamos, divórcio - pode ser muito útil. Não que a miséria adore saber da vida alheia, mas é verdade que ter conhecimento de que existem outros com problemas semelhantes pode ser muito reconfortante para algumas pessoas.
Uma outra coisas muito legal da terapia é que ela pode provocar mudanças no nível do cérebro. Pensamos na medicação como uma mudança no cérebro deprimido, mas há evidências muito convincentes de que a psicoterapia faz o mesmo. Com seus métodos, a psicoterapia demonstrou alterar a atividade no córtex pré-frontal medial, no córtex cingulado anterior, no hipocampo e na amígdala, áreas que estão envolvidas em pensamentos autorreferenciais (pensamentos de preocupação centrados em mim mesmo), controle executivo, emoção e medo. A psicoterapia, portanto, ajuda as pessoas a identificar os padrões de pensamento negativos em que recorrem habitualmente - que sem dúvida estão ligados ao cérebro como sulcos profundos - e substituí-los por novos e mais positivos hábitos mentais e, além de ajudar as pessoas a experimentarem menos sintomas de depressão e ansiedade, também parece provocar mudanças cerebrais mensuráveis.
Seria uma maravilha se você não precisasse mais de medicamentos, especialmente se for através da automedicação. A automedicação para lidar com coisas psicológicas é incrivelmente comum, mas não faz nada para realmente cuidar do que está acontecendo - apenas disfarça. Também cria um ciclo viciante, o que pode exacerbar o problema real. Chegar à causa do problema que ocorreu em seu passado na terapia irá, com o tempo, evitar a vontade de se automedicar. Sou contra essa prática, principalmente sabendo que há inúmeros médicos psiquiatras competentes para indicar a melhor medicação para cada caso. Ao não viver pelas coisas negativas do passado, a necessidade de evitá-las - e a si mesmo - desaparecerá.
A melhor coisa sobre como lidar com os seus próprios dilemas é que, se você tem filhos, isso lhe ajudará a ensinar-lhes uma maneira melhor de viver. Os pais podem ajudar seus filhos a aprender um vocabulário de sentimentos desde o início, modelando-os por si mesmos e isso dá às crianças a sensação de que não é apenas bom, mas saudável se expressar através de todas as cores de suas emoções. É importante expressar raiva quando eles sentem que foram ignorados ou tratados injustamente ou quando alguém diz algo doloroso. A alternativa é reprimir o sentimento, sentir-se ressentido ou talvez encenar a raiva por um comportamento desafiador. A hora de começar a falar sobre sentimentos é o mais cedo possível.
As pessoas estão começando a se abrir mais sobre suas lutas pessoais e problemas de saúde mental e o estigma está desaparecendo. Se você acha que a psicoterapia irá beneficiá-lo, vá em frente e faça psicoterapia – você não vai se arrepender, eu garanto!
Abração e cuide de sua saúde mental!
Espero que o artigo lhe seja útil. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) que podem ser interessantes para o seu momento de vida! CLIQUE AQUI para ler sobre a psicoterapia para adolescentes.
Você pode me “seguir” pelo Blog, Um Instagram (paulocesarpsi) ou pelo Facebook (@psicologopaulocesar) e ler gratuitamente artigos sobre a Psicologia Humana.
Compartilhe com seus amigos!
Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar
Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes.
Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista.
Palestrante sobre temas ligados ao comportamento humano no ambiente social e empresarial.
Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marcação de consultas pelo tel. 11.94111-3637, pelo whatsapp 11.98199-5612 ou pelo email Paulo cesar@psicologopaulocesar.com.br.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário