ARTIGOS MAIS LIDOS:
Daqui em diante, você encontrará muitos outros artigos sobre psicologia. A finalidade da Psicoterapia é entender o que está ocorrendo com o cliente, para ajudá-lo a viver melhor, sem sofrimentos emocionais, afetivos ou mentais. Aqui você encontrará respostas sobre a PSICOTERAPIA - para que serve e por que todos deveriam fazê-la. Enfim, você encontrará nesses artigos,informações sobre A PSICOLOGIA DO COTIDIANO DE NOSSAS VIDAS.

A SUA FAMÍLIA É DISFUNCIONAL?


- Noções básicas sobre padrões disfuncionais de relacionamento na família -

Está sendo muito comum usar o termo “disfuncional” para caracterizar famílias que apresentam alguns problemas que necessitam algum ajuste, mas será que todos sabemos, afinal, o que é uma família funcional?

Para responder, podemos usar 3 pilares do que seria uma "família funcional", a saber:
  1. A família funcional incentiva o crescimento ideal de todos os seus membros e oferece um espaço seguro onde os indivíduos podem mais ou menos ser eles mesmos. As famílias promovem o senso de unidade e pertencimento (o "nós"), respeitando a separação e a diferença de membros individuais (o "eu").
  2. Os pais fazem e aplicam regras que orientam o comportamento da criança, mas não regulam a sua vida emocional e intelectual. Os membros individuais da família sentem-se à vontade para compartilhar seus pensamentos e sentimentos sobre assuntos emocionalmente carregados, sem dizer aos outros o que pensar e sentir e sem ficar muito nervoso com as diferenças.
  3. Os pais são calmamente conectados à sua própria família de origem e nenhum membro da família precisa negar ou silenciar um aspecto importante do eu para pertencer e ser ouvido.
Esse é o ideal, mas não a realidade! Eu, em minha longa jornada de prática clínica, ainda não conheci essa família.

Embora a expressão “família disfuncional” seja usado na cultura popular, os profissionais de saúde mental a definem como aquela em que as relações entre os membros da família não são propícias à saúde emocional e física. Abuso sexual ou físico, dependência de álcool e drogas, problemas de delinquência e comportamento, distúrbios alimentares e agressões extremas são algumas condições comumente associadas a relacionamentos familiares disfuncionais. É um conceito baseado numa abordagem sistêmica para diagnóstico e tratamento em saúde mental, onde os sintomas do indivíduo são vistos no contexto de relacionamentos com outros indivíduos e grupos, e não como problemas exclusivos do cliente. Não existe uma definição estrita de "família disfuncional" e, especialmente no uso popular, o termo tende a ser uma regra para muitos distúrbios relacionais diferentes que ocorrem dentro do sistema familiar e de seus subsistemas (pais, filhos...). Os psicólogos e psiquiatras reconhecem, cada vez, mais a terapia familiar e de casais como métodos eficazes de tratamento de diversos distúrbios psicológicos, especialmente quando as crianças estão envolvidas.

Podemos observar comportamentos bem típicos de famílias disfuncionais. Aqui seguem alguns exemplos:
  • Culpar, não assumir a responsabilidade por ações e sentimentos pessoais, e invalidar os sentimentos de outros membros da família.
  • Manter, entre os membros da família, limites muito frouxos ou muito rígidos. Por exemplo, os pais podem depender excessivamente da criança para obter apoio emocional (limites frouxos) ou impedir que a criança desenvolva autonomia tomando todas as decisões para a criança (limites rígidos).
  • Desempenhar (os membros da família) papéis definidos: cuidador, herói, bode expiatório, santo, garota ou menino mau, pequeno príncipe ou princesa, os quais servem para restringir sentimentos, experiências e autoexpressão.
  • Identificar alguém da família como mentalmente comprometido, que pode ou não estar em tratamento, mas cujos sintomas são um sinal do conflito familiar interno. Muitas vezes, os problemas deste membro familiar funcionam para disfarçar os problemas familiares maiores. Por exemplo, um garoto pode ser considerada um valentão e um causador de problemas na escola e rotulada de "criança problemática", quando na verdade pode estar expressando conflitos e problemas que são originados em casa.
As famílias disfuncionais também costumam apresentar alguns padrões, sendo os que descrevo abaixo como os que ocorrem mais frequentemente:
  • Um ou ambos os pais têm vícios ou compulsões (por exemplo, drogas, álcool, promiscuidade, jogos de azar, excesso de trabalho e/ou consumo excessivo) que têm fortes influências nos membros da família.
  • Um ou ambos os pais usam a ameaça ou aplicação de violência física como principal meio de controle. As crianças podem ter que testemunhar a violência, podem ser forçadas a participar da punição de irmãos ou podem viver com medo de explosões explosivas.
  • Um ou ambos os pais exploram os filhos e os tratam como posses cujo objetivo principal é responder às necessidades físicas e/ou emocionais dos adultos (por exemplo, proteger os pais ou animar os que estão deprimidos).
  • Um ou ambos os pais são incapazes de fornecer ou ameaçam retirar cuidados financeiros ou financeiros básicos para seus filhos. Da mesma forma, um ou ambos os pais falham em fornecer apoio emocional adequado aos filhos.
  • Um ou ambos os pais exercem um forte controle autoritário sobre os filhos. Freqüentemente, essas famílias aderem rigidamente a uma crença específica (religiosa, política, financeira, pessoal). A conformidade com as expectativas de função e com as regras é esperada sem nenhuma flexibilidade.
As famílias são disfuncionais também porque são ansiosas. Sempre há alguém que envia “ondas de choque emocional” no seio familiar ao longo da vida, mostrando sinais e sintomas de um sistema ansioso. Essa ansiedade gera triângulos – à medida que a ansiedade aumenta, as pessoas falam sobre outros membros da família ("Estou tão preocupado com a bebida do seu irmão!"), e não diretamente sobre eles. Os membros da família tomam partido, perdem a objetividade e se concentram um no outro de maneira preocupada ou culpada.

Existem variações na frequência com que interações e comportamentos disfuncionais ocorrem nas famílias, e nos tipos e na gravidade de sua disfunção. No entanto, quando padrões como os acima citados são a norma e não a exceção, eles sistematicamente estimulam o abuso e/ou a negligência. Com isso, os filhos podem:
  • Ser forçados a tomar partido em conflitos entre pais.
  • Sofrer experiências de “mudança de realidade” na qual o que é dito contradiz o que realmente está acontecendo (por exemplo, um pai ou mãe pode negar algo que a criança tenha observado, por exemplo, quando um pai ou mãe descreve um jantar briguento como um “bom momento”).
  • Ser ignorados, diminuídos ou criticados por seus sentimentos e pensamentos.
  • Ver os pais como inapropriadamente intrusivos, excessivamente envolvidos e protetores.
  • Ver os pais como inadequadamente distantes e não envolvidos com eles.
  • Ter demandas excessivas impostas quanto ao uso do tempo, escolha de amigos ou comportamento, ou, ao contrário, podem não receber qualquer orientação.
  • Sentir que há rejeição ou tratamento preferencial.
  • Ser impedidos de comunicação completa e direta com outros membros da família.
  • Ser autorizados e/ou encorajado a usar drogas ou álcool.
  • Ficar “trancados” fora de casa.
  • Tornarem-se agressivos fisicamente uns com os outros.
Se você identifica a sua família como disfuncional, saiba que a mudança começa com você. Você pode registrar, para si mesmo, algumas coisas para serem trabalhadas por si mesmo ou na psicoterapia - particularmente, acredito que a psicoterapia é sempre o melhor caminho! Essas coisas devem incluir:
  • A identificação das experiências dolorosas ou difíceis que aconteceram durante a sua infância.
  • Fazer uma lista de seus comportamentos, crenças etc. que você gostaria de mudar.
  • Ao lado de cada item da lista, anotar o comportamento, crença, etc. que você gostaria de fazer/ter.
  • Escolher um item da sua lista e começar a praticar o comportamento ou crença alternativo. Escolha o item mais fácil primeiro.
  • Quando você conseguir fazer o comportamento alternativo com mais frequência do que o original, escolher outro item da lista e praticar a nova alteração.
Ao fazer mudanças em sua vida, lembre-se de parar de tentar ser perfeito ou de tentar tornar a sua família perfeita. Você não está no controle da vida de outras pessoas, logo, não tem o poder de fazer os outros mudarem.

Sua família é o que o destino lhe entregou, mas você pode, apenas, mudar a sua parte nos padrões que lhe causam dor, isto é, a forma como você navega nos relacionamentos familiares. E mão desanime se você voltar aos velhos padrões de comportamento. As mudanças podem ser lentas e graduais. À medida que você pratica comportamentos novos e saudáveis, eles começarão a fazer parte do seu dia-a-dia.

Espero que tenha gostado desse artigo. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) - acesse-os! CLIQUE AQUI para ler sobre como deixar de ser pessimista.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar
Psicoterapeuta de adolescentes, adultos e casais. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Palestrante sobre temas ligados ao comportamento humano no ambiente social e empresarial.
Consultório próximo à estação de metrô Vila Mariana. Atendimento de segunda-feira aos sábados.
Marcação de consultas pelo tel. 11.94111-3637 ou pelo Whatzapp 11.98199-5612.

Nenhum comentário:

Postar um comentário