ARTIGOS MAIS LIDOS:
Daqui em diante, você encontrará muitos outros artigos sobre psicologia. A finalidade da Psicoterapia é entender o que está ocorrendo com o cliente, para ajudá-lo a viver melhor, sem sofrimentos emocionais, afetivos ou mentais. Aqui você encontrará respostas sobre a PSICOTERAPIA - para que serve e por que todos deveriam fazê-la. Enfim, você encontrará nesses artigos,informações sobre A PSICOLOGIA DO COTIDIANO DE NOSSAS VIDAS.

FELICIDADE, UM BEM QUE NÃO CAI DO CÉU

Tudo o que queremos para os nossos filhos é que sejam felizes. A felicidade é, em grande parte, uma questão de vontade, além de ser, também, algo para o qual os pais podem predispor a criança, logo tornando-a mais suscetível à felicidade do que às culpas e medos, os quais causam tanta dor ao ser humano. Acho que a felicidade está em alguma coisa interior, como se fosse uma
decisão de ser felizes quando chegar a hora. Portanto é inútil ter medo. Trata-se de ser de uma maneira tal que, aconteça o que acontecer, a pessoa saberá lidar com os fatos de modo positivo, garantindo um saldo de felicidade qualquer que seja a dinâmica da situação. Como pais, podemos ajudar nossos filhos a serem pessoas singulares e independentes, que saibam lidar com suas realidades sem perder de vista a possibilidade de serem felizes. Abaixo, para ajudar nessa missão, relaciono algumas características mais comuns nas pessoas felizes e que podemos ajudar nas nossas crianças:

Disposição Para Mudar: Os pais devem mostrar aos filhos que, longe de esperar que a felicidade caia do céu, os felizes sabem que se trata de uma luta constante, na qual é preciso estar sempre pronto a contestar o que quer que seja, tanto no plano individual como no social. Essa disposição permite enfrentar mudanças (voluntárias e involuntárias) sem sentí-las como ameaças.

A Aptidão Neurológica Para a Felicidade: A segunda característica dos felizes seria uma perfeita harmonização dos dois hemisférios cerebrais que interagem de diversas formas, inclusive através de conexões elétricas. Os felizes parecem ter um número maior dessas conexões que, segundo alguns neurologistas, se multiplicam graças a certos estímulos externos. O que daí ocorre é que o cérebro dos felizes seria diferente do cérebro dos infelizes. Os defensores da teoria neurológica citam experiências segundo as quais a educação teria um importante papel no desenvolvimento da aptidão para ser feliz: o cérebro de uma criança que cresce numa atmosfera alegre e descontraída desenvolve faixas longitudinais na face interior (correspondente à zona do prazer). Num meio rico em tensões, ao contrário, nota-se o desenvolvimento das faixas laterais do tálamo. Dessas conformações distintas adviria, na vida adulta, a tendência para ser feliz ou infeliz.

O Sentido do Aqui e Agora: Entre os felizes, nota-se uma grande entrega ao momento presente, uma vontade de procurar o que o momento tem a dar sem deixar-se influenciar pelos fantasmas do passado ou pelas expectativas do futuro. Uma vez que muitos de nossos problemas vem tanto do passado quanto de temores a respeito do que virá, desligar o presente do antes e do depois pode mesmo torná-lo mais leve e agradável.

A Realização do Próprio Potencial: Os pais devem estimular seus filhos a buscarem o que querem, ao inves de agirem por eles. As pessoas felizes agem por si. Suas ações são tanto instrumentos de sensibilidade, voltadas para o enriquecimento interior, quanto meios de provocar mudanças no mundo exterior. Seu esforço dá-se no sentido de encontrar um saudável equilíbrio entre a aceitação daquilo que existe e a possibilidade de introduzir modificações. Embora para realizar-se seja gratificante dedicar-se de corpo e alma mesmo aos projetos mais humildes, isso não exclui a busca da perfeição, que é prazer para si mesmo e para os demais.

A Atividade Criadora: Os felizes não se enquadram entre os que relacionam trabalho exclusivamente com lucro, lucro com poder, poder/felicidade. Para eles, o lucro não exclui a criatividade, necessidade ao mesmo tempo social e individual. E até fisiológica, se estiverem certos aqueles que afirmam que, pondo a funcionar uma parte do cérebro inativa em trabalhos de rotina, uma atividade criativa é responsável por reações químicas benéficas ao organismo. Por isso, estimule a criatividade do seu filho, faça-o olhar para o mundo de maneiras diferentes.

Uma Atitude Positiva Com Relação ao Amor: Entre os felizes, nota-se uma significativa insistência sobre o valor da amizade e sobretudo do amor. E o estudo do comportamento, tanto humano como animal, confirma sobejamente a importância das sólidas relações afetivas para o equilíbrio da personalidade. Onde mais, a não ser na família, para que as crianças aprendam o valor e a satisfação do amor?

Se é verdade que ser feliz exige esforço e vontade, vale a pena levar em conta alguns conselhos destinados a encurtar o caminho até onde a felicidade possa se encontrar.

1. Não confundir felicidade com emoções positivas, já que as emoções positivas correspondem outras, negativas. A sabedoria oriental ensina que a prática da felicidade se caracteriza pela intensidade homogênea das emoções, sejam quais forem as circunstâncias.

2. Não confundir felicidade com satisfação de desejos. Há pessoas que, apesar dos poucos desejos que tem satisfeitos, são tão hábeis em vivenciar sentimentos agradáveis que se tornam mais felizes do que outras, cujos desejos, amplamente satisfeitos, correm paralelos a uma multidão d sentimentos desagradáveis.

3. Afastar os desejos irrealizáveis para evitar frustrações desnecessárias. Isso implica esforço para ver claro dentro de si, no sentido de distinguir a realidade dos sonhos.

4. Não confundir necessidades e desejos. Ou seja, saber distinguir ser de ter, separar o essencial do supérfluo.

5. Não se deixar atrofiar pela necessidade de conforto. Em outras palavras, não procurar ser poderoso através de bens materiais.

Eduque o seu filho, isso é uma forma de amor. Prepare-se e o prepare para a felicidade. Eleve o grau de auto-proteção do seu rebento através da busca da felicidade. É sabido que stress, emoções e choques no plano afetivo subvertem nosso equilíbrio bioquímico, e que a capacidade dos tecidos de se defenderem dessas ameaças varia de um para outro indivíduo. É igualmente sabido, conforme corroboram esses estudos, que os felizes são setenta vezes menos suscetíveis de contrair doenças, inclusive câncer.

Use computador para ver todo o conteúdo do blog.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marque uma consulta pelos fones 11.5081-6202 e 94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br  

Um comentário:

  1. Excelente! Parabéns! Temos que nos responsabilizarmos sem medo, pela formação de uma sociedade saudável, a partir dos nossos proprios filhos.

    Claudio

    ResponderExcluir