ARTIGOS MAIS LIDOS:

ARTIGOS MAIS LIDOS:

Daqui em diante, você encontrará muitos outros artigos sobre psicologia. A finalidade da Psicoterapia é entender o que está ocorrendo com o cliente, para ajudá-lo a viver melhor, sem sofrimentos emocionais, afetivos ou mentais. Aqui você encontrará respostas sobre a PSICOTERAPIA - para que serve e por que todos deveriam fazê-la. Enfim, você encontrará nesses artigos,informações sobre A PSICOLOGIA DO COTIDIANO DE NOSSAS VIDAS.

UM OLHAR NÃO-CLÁSSICO SOBRE A PSICOTERAPIA

Por Psicólogo Paulo Cesar - Tel.: 11.5539-0591

Sempre acreditei que o propósito de cada pessoa na vida é o de ser feliz e, claro, acredito que os psicoterapeutas devem atuar nesse sentido. Essa atuação psicoterapêutica deve estar focada na atitude mental, pois este é o fator mais influente para que as pessoas alcancem a felicidade. Quero dizer, devemos trabalhar para que o paciente, em primeiro lugar, mude dentro dele mesmo, para assim, mudar as condições fora deles, especialmente nas relações com os demais. A chave é a paz interna, um estado mental através do qual, as pessoas podem enfrentar as dificuldades com calma e racionalmente, conservando a felicidade interna.

Quando eu era estudante de Psicologia (e isso faz bastante tempo), aprendi que a função da terapia era colocar as pessoas em contato com os aspectos de si mesmas com os quais não se sentiam confortáveis, para que se familiarizassem com seus desejos reprimidos, tudo isso num esforço para tornar essas pessoas mais plenas. Em outras palavras, ampliar a consciência sobre si mesmo, em áreas onde os impulsos egoístas, sexuais ou agressivos bem como as limitações morais / éticas entram em conflito. E mais, como as raízes destes conflitos estão na infância, a terapia se enfocava em ressuscitar as lembranças do que davam forma ao estado atual.

Algumas mudanças ocorreram, como tudo na vida muda com novas pesquisas, estudos e informações. Atualmente muitos psicoterapeutas tem se esforçado principalmente na criação de um ambiente interpessoal no qual o paciente possa liberar-se dos hábitos relacionais que ficaram bloqueados, não enfrentando tanto os desejos reprimidos, mas aventurando-se em aspectos ininteligíveis (e surpreendentes) da experiência emocional. Digo com isso que a terapia se converteu num lugar apropriado para uma experiência de rendição, não de submissão, isto é, um lugar onde o paciente possa passar “de um estado em que não é capaz de julgar, a outro estado em que é capaz de julgar” (Winnicott). Desta forma, será uma psicoterapia mais intimista, havendo uma fé implícita de que deste processo possa surgir uma profunda sensação de autenticidade pessoal que não depende necessariamente de endereçar o que se costuma chamar de “Eu”.

Com o tempo passei a pensar na terapia mais como “pegar da superfície” do que “cavar o inconsciente mais profundo”, assumindo uma postura psicoterapêutica que consiste mais em decifrar a experiência emocional que surge durante o relacionamento entre o terapeuta e o paciente. Veja que entender uma reação emocional no aqui e agora é muito diferente de perscrutar o passado. É claro que não se deve dispensar as técnicas de exploração de lembranças e associações como na psicanálise clássica, mas, a meu ver, a ênfase terapêutica deve se por a entender algo que está muito presente e que, ao mesmo tempo, é decepcionantemente indescritível. As experiências emocionais que se revelam na terapia geralmente são remanescentes ou sobras do passado, tendem a ser ecos do que foi jogado à sombra quando o paciente deu um passo na luta contra as dificuldades nas relações com o mundo. Por isso, para mim, entender as experiências emocionais implica em algo mais do que saber dados intelectuais à respeito da origem do paciente, mas implica em recuperar uma capacidade de sentir que perdeu.

Use computador para ver todo o conteúdo do blog.

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar

Psicoterapeuta de adolescentes, adultos, casais e gestantes. Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista. Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marque uma consulta pelos fones 11.5081-6202 e 94111-3637 ou pelos links www.psicologopaulocesar.com.br ou www.blogdopsicologo.com.br  

Um comentário:

  1. Olá, tenho um blog que divulga eventos gratuitos na área da psicologia, se vc se interessar, acesse: existepsicologiaemsp.blogspot.com.br! Um abraço!

    ResponderExcluir