ARTIGOS MAIS LIDOS:
Daqui em diante, você encontrará muitos outros artigos sobre psicologia. A finalidade da Psicoterapia é entender o que está ocorrendo com o cliente, para ajudá-lo a viver melhor, sem sofrimentos emocionais, afetivos ou mentais. Aqui você encontrará respostas sobre a PSICOTERAPIA - para que serve e por que todos deveriam fazê-la. Enfim, você encontrará nesses artigos,informações sobre A PSICOLOGIA DO COTIDIANO DE NOSSAS VIDAS.

CUIDADO, VOCÊ PODE ESTAR SENDO MANIPULADO!

(Série: Reeditando artigos interessantes)

Pelo simples fato de vivermos em sociedade, há uma enorme chance de sermos manipulados (ou manipularmos) por uma outra pessoa. Todos buscamos uma maior segurança e possibilidade de sobrevivência, o que é mais facilmente alcançável se houver a colaboração entre todos. No entanto, manipular pessoas psicológica e emocionalmente parece ser, infelizmente, para muita gente, um dos pilares sobre os quais se consegue maior domínio sobre o outro e assim, a ilusão de estar mais seguro.

A manipulação psicológica é a prática de influenciar indevidamente a alguém, com a intenção de tomar-lhe o poder, controlá-lo e obter benefícios e privilégios às custas desta vítima, seja por distorção mental e/ou exploração emocional.

A manipulação é o “pão de cada dia” da sociedade na qual vivemos e todos, querendo ou não, já sofreram com ela ou a praticaram em algum momento. Então, é importante identificar a diferença entre a influência social saudável e a manipulação psicológica: a influência social saudável ocorre entre a maioria das pessoas e è parte do "dar" e "receber" das relações construtivas; por sua vez, na manipulação psicológica, uma pessoa é usada em benefício da outra. O manipulador cria, deliberadamente, um desequilíbrio de poder e explora a vítima para servir às suas necessidades.

Para ficar bem claro, podemos considerar o seguinte:

As fontes mais frequentes de poder são Bens Materiais (que significa qualquer coisa que represente posse), Informação, Tempo e Afeto / Reconhecimento. Na busca de mais poder sobre o outro, o manipulador dá, nega ou controla Bens Materiais, Informação, Tempo e Afeto / Reconhecimento para obter da vítima, através do medo, culpa ou suborno, mais Bens Materiais, Informação, Tempo e Afeto / Reconhecimento. Graficamente podemos representar assim:


Processo de Manipulação Psicológica e Emocional


Aprender a detectar a manipulação emocional e psicológica implica em poder evitá-la, e para isso, a primeira coisa a se fazer é saber como ela realmente acontece. Abaixo estão algumas formas de manipulações habituais usadas para coagir os outros e colocá-los em posição de desvantagem. Evidentemente, nem todos que agem dessas maneiras estão deliberadamente tentando manipular - algumas pessoas simplesmente têm maus hábitos. Ainda assim, é importante reconhecer esses comportamentos e situações onde seus direitos, interesses e segurança estão em jogo. As formas de manipulações são:

1. Vantagem do Ambiente Privilegiado: O manipulador pode insistir que você se encontre com ele e para, então, interagir num espaço físico em que ele possa exercer mais domínio e controle. Os locais comuns para isso são o escritório do manipulador, casa, carro ou outros espaços onde ele se sente dono e tem mais familiaridade – algo que falta a você.

2. Prospecção e/ou Investigação: O manipulador estimula e permite que você fale primeiro para estabelecer sua linha de pensamento e procurar as suas fraquezas. Muitos vendedores fazem isso ao tentar vender algo para você, fazendo perguntas gerais e sondagens. Com isso estabelecem uma linha de pensamento e comportamento, a partir da qual eles avaliam seus pontos fortes e fracos. Este tipo de questionamento com intenção não revelada também pode ocorrer no local de trabalho ou em relacionamentos pessoais.

3. Manipulação de Fatos: Manipula-se fatos de várias maneiras tais como mentindo, pedindo desculpas, culpando a vítima por causar sua própria vitimização, deturpando a verdade, divulgando ou retendo informações estrategicamente, exagerando, subestimando, adotando um viés unilateral da questão e várias outras formas.

4. Oprimir Com Fatos e Estatísticas: Alguns indivíduos fazem uma espécie de "bullying intelectual", presumindo serem especialistas e mais experientes em determinadas áreas. Eles se aproveitam de você ao impor fatos, estatísticas e outros dados que você talvez saiba pouco. Isso pode acontecer em vendas, situações financeiras, discussões e negociações profissionais além dos relacionamentos interpessoais e sociais. Acreditando terem mais conhecimentos específicos do que você, os manipuladores esperam lhe pressionar com isso pois imaginam-se mais convincentes. Algumas pessoas usam esta técnica sem outra razão senão sentir um sentimento de superioridade intelectual.

5. Inibir o Outro Com Procedimentos e Burocracia: Certas pessoas usam a burocracia (papelada, procedimentos, leis e regulamentos, comitês e outros obstáculos) para manter sua posição e poder, ao mesmo tempo em que tornam sua vida mais difícil. Essa técnica também pode ser usada para atrasar a descoberta de fatos e a busca da verdade, ocultar falhas e fraquezas e escapar de decisões supostamente desfavoráveis ao manipulador.

6. Levantar a Voz e Expressar Emoções Negativas: Há quem levante a voz durante as discussões como forma de manipulação agressiva. A suposição costuma ser a de que ao levantar a voz o suficiente ou exibir emoções negativas, você vai se submeter à sua coerção e dar o que ele quer. A voz agressiva é frequentemente combinada com uma linguagem corporal igualmente agressiva.

7. Surpresas Negativas: É comum o uso de surpresas negativas para colocar a vítima em desequilíbrio, e assim ganhar uma vantagem psicológica. Podem ser usadas numa situação de negociação, numa tentativa da pessoa em alcançar algo a mais para si mesmo, sendo que ao ter uma surpresa negativa, passa a acreditar que não será capaz de alcançar. Normalmente, as informações negativas inesperadas vem sem aviso, então você tem pouco tempo para se preparar e à ela adaptar-se.

8. Pouco ou Nenhum Tempo Para Decidir: Esta é uma tática comum, onde o manipulador coloca pressão sobre você para tomar uma decisão antes de você estar pronto. Ao aplicar tensão e controle, ele imagina que você vai "rachar" e ceder às demandas dele.

9. Humor Negativo Programado Para “Cutucar” Suas Fraquezas e Diminuir o Seu Poder Pessoal: Alguns manipuladores gostam de fazer comentários críticos, muitas vezes disfarçados de humor ou sarcasmo, para fazer você parecer inferior e menos seguro. Os exemplos podem incluir qualquer variedade de comentários que vão desde a sua aparência, o modelo antigo de seu celular, a sua condição financeira ou simplesmente o fato de você chegar dois minutos atrasado e sem fôlego. Fazendo você ficar mal, o agressor espera impor superioridade psicológica sobre você.

10. Julgar e Criticar Provocando Sentimento de Inadequação: Diferente do anterior onde o humor negativo disfarça a má intenção, aqui o manipulador declaradamente lhe desmerece. Fazendo isso constantemente, marginalizando-o e ridicularizando-o, ele tira o seu equilíbrio e consegue manter a sua superioridade. O agressor promove, deliberadamente, a impressão de que sempre há algo errado com você, e que não importa o quanto você tente melhorar pois nunca será bom o suficiente. Significativamente, o manipulador enfoca o negativo sem fornecer soluções genuínas e construtivas, ou sem oferecer maneiras significativas de ajudar.

11. O Tratamento Silencioso: Ao deixar de atender as suas ligações ou responder as suas chamadas, mensagens de texto, e-mails ou outras formas de contato, o manipulador presume possuir poder, fazendo você esperar e pretendendo colocar dúvidas e incertezas em sua mente. O tratamento silencioso é um jogo mental onde o silêncio é usado como uma forma de alavancar poder.

12. Fingir Ignorância: Esta é a tática clássica de "fazer-se de bobo". Ao fingir que não entende o que você quer, ou o que você quer que ele faça, o manipulador faz você assumir o que é da responsabilidade dele. Algumas crianças usam esta tática para atrasar, parar e manipular adultos para fazerem por eles o que não querem fazer. Alguns adultos usam essa tática também quando têm algo a esconder, ou obrigação que desejam evitar.

13. Vitimização: As formas mais comuns de vitimização são o exagero dos problemas pessoais ou de saúde reais ou imaginários, a dependência, a codependência, a revelação de que é frágil para suscitar simpatia e favores, agindo de modo errado, sendo fraco, impotente ou um mártir – nesses casos, pode inclusive, ser tudo falso.

Enfim, fica evidente que a finalidade do manipulador é, na maioria das vezes, explorar a boa vontade da vítima, deixá-la com a consciência culpada, estabelecer um senso de dever e obrigação ou um instinto protetor e nutridor, a fim de extrair benefícios e concessões não razoáveis.

Espero que tenha gostado desse artigo. Há vários outros artigos no Blog do Psicólogo (www.blogdopsicologo.com.br) - acesse-os! CLIQUE AQUI para ler um artigo  sobre as consequências da ditadura da moda sobre as adolescentes.

Compartilhe com seus amigos!

Um abraço,

Psicólogo Paulo Cesar
Psicoterapeuta de adolescentes, adultos e casais.
Psicólogo de linha humanista com acentuada orientação junguiana e budista.
Palestrante sobre temas ligados ao comportamento humano no ambiente social e empresarial.
Consultório próximo ao Shopping Metrô Santa Cruz. Atendimento de segunda-feira aos sábados. Marcação de consultas pelo tel. 11.94111-3637 ou pelo whatsapp 11.98199-5612 

Nenhum comentário:

Postar um comentário